Publicidade
Manaus
Manaus

Recuperação de ruas de Manaus atingidas pela enchente do rio Negro começa em 30 dias

Secretaria Municipal de Infraestrutura diz que só em um mês terá a avaliação das condições das vias que foram alagadas 20/06/2012 às 07:44
Show 1
Águas não cobrem mais as pistas de vias importantes do Centro, que continuam fechadas à espera de laudo técnico
Carolina silva Manaus

Há mais de 15 dias que rio Negro, em Manaus, entrou na vazante e as ruas do Centro não estão mais alagadas. No entanto, a previsão da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) para iniciar os trabalhos de recuperação dessas vias é para daqui a 30 dias.

As águas das galerias de esgoto do trecho da avenida Eduardo Ribeiro (ao lado do Relógio Municipal) e da rua Marquês de Santa Cruz (em frente ao prédio da Alfândega) desceram, mas a secretaria informa que ainda não tem um diagnóstico final das condições do asfalto dessas vias pois as redes de drenagem continuam muito cheias e, por questão de segurança, não é possível avaliá-las e nem  permitir a liberação para o tráfego de veículos.

A Seminf garantiu que técnicos do órgão estão monitorando a vazante nas áreas mais atingidas no Centro da cidade. As vias ainda interditadas nessa região pelo Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans) são: Rua dos Andradas;  no trecho entre a rua Antimary (sentido Educandos/Manaus Moderna), rua dos Barés e Barão de São Domingos.

E enquanto o tráfego de veículos ainda está proibido nas vias do Centro que não estão mais alagadas, a população, aos poucos,  volta a frequentá-las. “Por causa do forte odor das águas do esgoto, o movimento de pessoas caiu bastante. Mas já melhorou e a gente tem percebido que as pessoas estão voltando a circular por aqui”, disse a vendedora Alcilene Maia, 26.

Na manhã desta terça-feira (19), alguns lojistas lavavam as calçadas para retirar a lama acumulada embaixo das passarelas próximo ao Relógio Municipal, que desde a semana passada começaram a ser desmontadas.

O camelô Ronaldo Castanho, 33, conta,  ainda, que não somente a cheia chamou a atenção dos manauaras e turistas mas, que a vazante também tem atraído olhares curiosos. “Tem muita gente que ainda vem para tirar foto nessas pontes sem as águas das galerias. O movimento também deu uma melhorada porque não está mais fedendo tanto já que há mais de uma semana estão limpando aqui a área”, disse.

O terminal central, na praça da Matriz, continua sem previsão para ser liberado para a circulação das mais de 120 linhas de ônibus e 260 micro-ônibus do sistema executivo.

Fluxo
De acordo com o  Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito , as vias liberadas para dar  acesso ao Centro são: Avenida Constantino Nery; rua Luis Antony, rua Major Gabriel; rua Ramos Ferrreira; avenida Getúlio Vargas; rua Visconde de Porto Alegre e rua Quintino Bocaiúva. As demais ainda estão interditadas.