Publicidade
Manaus
Manaus

Reunião que decidirá o futuro do PT nas eleições deste ano é adiada

Internamente, brigam sete correntes, entre elas quatro que defendem apoio ao PSD, PMDB e PDT, todos siglas da base da presidente Dilma (PT), e três que afirmam que o partido deve levar candidatura própria em Manaus e romper com a orientação nacional 06/03/2012 às 07:57
Show 1
O deputado federal Francisco Praciano defende que o PT tenha candidatura própria
KLEITON RENZO Manaus

A Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores (PT) decidiu adiar, para o próximo dia 28, a reunião dos delegados, que irão decidir se o partido lançará candidatura própria, ou dará apoio a candidato de alguma legenda da base aliada do Governo Federal nas eleições municipais de Manaus.

Internamente, brigam sete correntes, entre elas quatro que defendem apoio ao PSD, PMDB e PDT, todos siglas da base da presidente Dilma (PT), e três que afirmam que o partido deve levar candidatura própria em Manaus e romper com a orientação nacional.

Dos 500 delegados escolhidos no último dia 11 de fevereiro, mais da metade está ligada aos grupos do presidente municipal do PT, Valdemir Santana (202) e ao secretário municipal Valtair Cruz (91), que são marcham ao lado do prefeito Amazonino Mendes (PDT).

Os demais delegados estão divididos entre o deputado estadual  Sinésio Campos (43), líder do governo Omar Aziz (PSD), na Assembleia Legislativa (ALE-AM); o vereador Ademar Bandeira (24) que apoia o grupos dos deputados Francisco Praciano e José Ricardo (87), que junto com o vereador Waldemir José, defendem candidatura própria do partido. Completam a lista os grupos do secretário de Estado ‘Zeca do PT’ (22) e do presidente da Executiva Estadual do partido, João Pedro (33), que possuem a tendência de apoiar as decisões da Executiva Nacional.

De acordo com Santana, os membros da Executiva Municipal entenderam que seria “prematuro” fazer a votação no último  sábado (3), como estava marcado. Santana disse ainda, que o PT quer mais tempo para discutir com os partidos que foram a base aliada no Congresso.