Publicidade
Manaus
Manaus

Réveillon de Manaus reúne cerca de 135 mil na Ponta Negra

A Prefeitura cancelou três festas de Réveillon, decidiu concentrar a celebração na Ponta Negra e apostar em um trabalho conjunto para evitar ocorrências trágicas 01/01/2013 às 18:59
Show 1
Réveillon na praia da Ponta Negra em Manaus
Leandro Tapajós Manaus (AM)

O último grande evento de 2012 da Prefeitura de Manaus organizado pela gestão Amazonino Mendes foi o ‘Réveillon da Cidade’, que na virada de 2012 para 2013 foi realizado em um único local: o anfiteatro da praia da Ponta Negra, na Zona Oeste da capital amazonense. A festa reuniu cerca de 135 mil pessoas, segundo a polícia, e ficou aquém das edições anteriores; no ano de 2011 a festa da virada contou com quatro grandes eventos em zonas diferentes.   

A comemoração  tinha tudo para ser realizada em um cenário turístico e paradisíaco. Mas, quem conferiu o evento se deparou com tapumes, cordões de isolamento, policiamento intensificado e uma grande área da praia interditada. Tudo isso, pois a reforma da área, que deveria ter sido entregue no ano de 2012, atrasou e o que deveria se tornar local de recreação se tornou cenário de uma série de mortes. 

A praia – ainda interditada devido à realização de obras orçadas em R$ 12 milhões – foi palco de 16 mortes por afogamento em 2012 e já é conhecida até como a ‘praia da morte’. Mesmo com a possibilidade de novos episódios envolvendo banhistas, a Prefeitura de Manaus cancelou três festas Réveillon e decidiu concentrar a celebração na Ponta Negra. Apostando em um trabalho conjunto para evitar ocorrências trágicas.

Segundo a Prefeitura, um esquema especial de segurança foi montado para garantir a tranquilidade do público. Trabalham durante o Réveillon da Cidade todas as secretarias do município, além do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Marinha e Juizado de Menores.

Fogos e música  

O evento contou sete minutos de show pirotécnico e shows com músicos regionais. No anfiteatro da Ponta Negra a noite foi dividida em quatro blocos: Sertanejo, Orquestra, Toadas e Balada.


Embora sem a presença de atrações nacionais, como em anos anteriores, os shows alegraram os presentes. Apresentaram-se no evento: Beto Gomez e Dhelipe, Leandro Leal, Breno Mark e Leandra, Zezinho Corrêa, Lívia Mendes, Cileno, Lucilene Castro, Márcia Siqueira, Abílio Farias, Prince, Fabiano Neves, Carlos Batata, Robson Jr., Pavarote, Tony Medeiros, Edilson Santana, P.A. Chaves, GRES Mocidade Independente de Aparecida, banda 100% Abusado, Junior e Banda.

Segundo Alberto Jorge Silva coordenador geral da Coordenação Amazônica da Religião de Matriz Africana e Ameríndia (Carma), cerca de 20 mil pessoas optaram por fazer oferendas e rituais nas areias durante os dias 30 e 31, antes da festa da virada. Quanto às mortes que levaram a interdição de parte da praia ele acredita se tratar de uma resposta da natureza. “Houve uma questão de irresponsabilidade, por entregarem uma obra com falhas. Mas, essa praia é de Oxum, é do povo das águas. Não é que as entidades estejam punindo as pessoas. É na verdade um recado que ela manda dizendo: ‘prestem atenção e respeitem o que pertence a essa força da natureza’, disse. 


.