Publicidade
Manaus
Manaus

Rodoviários ameaçam nova greve geral nesta quarta-feira, em Manaus

Mesmo sem o apoio do Sindicato dos Rodoviários e diante da ameaça de punições, como o desconto em folha e multa, a categoria promete paralisar mais uma vez 100 % da frota 01/05/2012 às 20:02
Show 1
Durante a paralisação do transporte coletivo na manhã desta terça-feira (10), as garagens das empresas de ônibus estavam lotadas
Evelyn Souza Manaus

Mesmo sem o apoio da junta governativa que esta à frente do Sindicato dos Rodoviários do Amazonas e diante da ameaça de punições, como o desconto em folha e multa, a categoria rodoviária promete paralisar mais uma vez 100 % da frota do transporte coletivo nesta quarta-feira (2) em Manaus.

Isso está proposto em uma carta que foi distribuída por rodoviários nesta segunda (30), onde eles mobilizam toda a classe a cruzar os braços. Ao contrário do que aconteceu na última paralisação, quando os rodoviários não saíram das garagens com os veículos, desta vez eles dizem que não vão sair de suas casas para trabalhar até que eles recebam o reajuste salarial.

Segundo a carta, a categoria reivindica o reajuste salarial de 20%, R$ 190,00 para o valor da cesta básica e R$ 9,00 de vale refeição.

De acordo com o presidente da junta governativa do sindicato dos rodoviários, Francisco Bezerra, o sindicato não tem relação nenhuma com qualquer manifestação e diz que não apóia esse tipo de atitude. Na última paralisação, Bezerra também alegou não ter envolvimento.

Segundo a assessoria do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amazonas (Sinetram), já foram expedidos pela Justiça liminares que proíbem a categoria de realizar uma greve. O sindicato patronal alertou para a possibilidade de desconto em folha de pagamento dos motoristas e cobradores que faltarem o trabalho nesta quarta-feira (2).

A Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) alega que não vai fazer nada, pois confia no poder de negociação do sindicato, mas caso uma greve venha a acontecer, a SMTU promete ajudar nas negociações entre patrões e empregados, além de acompanhar a porcentagem dos veículos que estiveram circulando nas ruas.

 Segundo o rodoviário Ivanildo Pereira, diante da inoperância do Sindicato da categoria, que não luta por melhorias para os rodoviários, os trabalhadores decidiram promover a greve sem apoio da Junta Governativa. “Os motoristas e cobradores estão de acordo e eles vão se recusar a trabalhar, não vão sair de suas casas amanhã. Se precisar ficar parado três ou quatros dias, nos vamos ficar parados, a gente só quer o nosso reajuste”, declarou.