Publicidade
Manaus
Manaus

Ronda no Bairro é aprovado por moradores da Zona Norte de Manaus

Moradores da Zona Norte dizem que a presença da polícia nas ruas trouxe uma nova sensação de segurança para os bairros 24/02/2012 às 08:28
Show 1
Viaturas do programa Ronda no Bairro passaram a ser vistas com frequência na Zona Norte. Secretaria diz que redução na criminalidade alcançou 8% em uma semana
Jornal A Crítica Manaus

Viaturas do programa Ronda no Bairro passaram a ser vistas com frequência na Zona Norte. Secretaria diz que redução na criminalidade alcançou 8% em uma semana

A presença da Polícia Militar nas ruas, após o lançamento do programa Ronda nos Bairros, há oito dias, trouxe uma sensação de segurança para moradores da Zona Norte.

Essa sensação a Secretaria de Segurança Pública traduz em números quando afirma que a violência nessa parte da cidade caiu 8%. Morador do conjunto Vila Real, na Cidade nova, o vigilante Janderlan Reis, 31, diz ter percebido a mudança em pequenas coisas que saíram da rotina.

"O número de pessoas desocupadas e sem camisa que passavam pela rua olhando as casas diminuiu. A partir das 22h a viatura da polícia começa a passar pelo conjunto e volta umas três vezes durante a noite", garante.

Janderlan também avalia que a sensação de insegurança que antes era grande diminuiu muito com a presença da policia no bairro. “Não sei quanto às outras áreas vizinhas, se estão se sentindo seguras, mas no bairro a sensação de segurança agora existe. Os policiais passam nas viaturas devagar, nos cumprimentam e perguntam se está tudo bem, se precisamos de algo. As crianças podem brincar na rua sem que nos preocupe com assaltos”, completou. Outro aspecto destacado por ele diz respeito ao movimento de motoqueiros passando pela ruas do conjunto, que na opinião dele diminuiu.

“Agora os únicos motoqueiros que continuam passando são os entregadores. Outra mudança foi das pessoas que passaram em alta velocidade pelo conjunto. Com a presença da polícia eles passam a 30 Km/h pianinho”, disse o vigilante.

A empresária Aline Drumond, que trabalha e mora na Cidade Nova, conta que a presença da polícia é visível no bairro e isso traz mais segurança. “No meu caso, que trabalho num comércio em uma via que sofria constantemente com os assaltos que ocorriam a qualquer hora do dia, ainda não tivemos aquele contato próximo com os policiais como o Governo anunciou que teria", avalia a empresária.

"De qualquer forma, não só os comerciantes, mas os moradores também têm percebido que a presença de todo esse aparato do 'Ronda no Bairro' tem inibido a ação dos assaltantes. Esperamos que essa sensação de segurança permaneça por muito mais tempo. Também é preciso que essa segurança pública passe a abranger as outras zonas o mais breve pois a cidade toda carece dessa 'tranquilidade'".

Para o universitário Rui Barbosa de Sales, 21, que costuma voltar para casa após às 23h, ver as viaturas pra lá e pra cá nas ruas melhora a confiança na corporação e dá um sentimento de segurança que ele não tinha ao voltar da faculdade.

“A presença de gangues nas ruas era algo muito próximo de nós que usamos ônibus e chegamos tarde em casa. Muitas vezes tínhamos que negociar com esse pessoa, que agora, pelo menos por enquanto, está entocado”, conta.

Paulo Roberto Vital Secretário de Segurança Pública

“Tudo ainda está na fase de adaptação, tanto da parte dos policiais quanto da população. Os policiais aplicam o que aprenderam sobre policiamento comunitário e o cidadão responde com a sensação de segurança. Eu poderia me basear pela opinião dos amigos, mas esses são suspeitos. Então, melhor ouvir o que a população está sentindo com a polícia mais perto dela, para não ficar só nos números estatísticos, que esses apontam melhorias no combate à criminalidade”, diz o secretário de Segurança Pública, que avalia o resultado preliminar como uma satisfação para todos os operadores do programa.

Redução chega a 8% em oito dias

Um balanço divulgado pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), da primeira semana do programa Ronda no Bairro, aponta uma redução de 8% no índice de criminalidade em dez bairros da Zona Norte.

Nestes locais, o policiamento foi reforçado com mais 1.679 policiais civis e militares. Os indicadores do programa, lançado pelo governador Omar Aziz na última quinta-feira, início do período de Carnaval, fazem referência ao quantitativo de homicídio, latrocínio, tentativa de homicídio, estupro, roubo e furto.

Segundo as estatísticas da SSP, três homicídios foram registrados na Zona Norte, a mais populosa da capital, enquanto as outras três zonas registravam juntas 11 ocorrências desse crime. Em 2011, foram anotados quatro homicídios durante o Carnaval.

O crime de latrocínio (roubo seguido de morte) não teve ocorrência. Os dados mostram redução dos roubos e furtos: em 2011, foram 93 casos, contra 83 neste ano. No item tentativa de homicídio, a redução foi de 50% com duas ocorrências, contra quatro em 2011. O resultado foi considerado expressivo pela Secretaria de Segurança.

Adesivos para moradores

O coordenador do Ronda no Bairro, Amadeu Soares, disse que já está sendo feita a distribuição em cada residência da Zona Norte dos adesivos chamados de ímã-de-geladeira e um folder contendo a foto dos policiais militares e o telefone instalados nas viaturas que já estão atuando na região.

“Será mais uma forma de aproximar o cidadão do policial que está atuando na sua rua”, diz.

Amadeu afirmou, ainda, que na próxima semana os gestores do programa começam a se reunir com os conselhos comunitários de segurança que vão atuar junto aos Distritos Integrados de Polícia (DIP), em interação com o delegado e o comandante de cada área da cidade. Ele ressalta que os conselhos terão papel fundamental no sucesso do Ronda no Bairro.

“Eles serão os interlocutores da população junto ao sistema de segurança pública. No projeto-piloto no bairro Santa Etelvina, o conselho foi fundamental para o excelente desempenho da polícia naquela comunidade”, disse.