Publicidade
Manaus
Manaus

Seguro DPVAT é considerado ‘mercado negro’ em Manaus

Sindicato da Corretoras de Seguro confirma que golpe existe e aponta falta de controle na administração do benefício 17/04/2012 às 08:42
Show 1
O DPVAT é pago a toda vítima de acidente de trânsito e pode alcançar, em caso de morte, o valor de r$ 13,5 mil, quantia que os golpistas se apropriam
CAROLINA SILVA Manaus

O presidente do Sindicato das Corretoras de Seguros nos Estados do Amazonas e Roraima (Sincor-AM/RR), Givandro Guedes, afirma que o golpe do seguro DPVAT já se tornou um ‘mercado negro’ em Manaus e a falta de controle tem facilitado a prática do crime. “É difícil coibir a ação desses golpistas porque não são pessoas que trabalham para seguradoras autorizadas a fazer esse serviço gratuitamente. Elas atuam nesses locais por conta própria”, disse.

O crime ocorre quando familiares de pessoas mortas em acidentes de trânsito são abordadas em hospitais, funerárias ou no Instituto Médico Legal (IML) por pessoas que se oferecem para resolver os trâmites que irão garantir o recebimento do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre, chamado de Seguro DPVAT.

Para dar o golpe, o ‘papa defunto’, como é chamado, faz uma procuração que dá a ele todo direito de receber o benefício, cujo valor é de R$ 13,5 mil,  e manda as vítimas assinarem. Em seguida, o golpista reconhece o documento em cartório e dá entrada no benefício em uma seguradora autorizada do DPVAT. “Quando uma pessoa se apresenta como procurador na hora de dar entrada no seguro, não  tem como identificarmos se é um golpista ou não”, comenta Givandro Guedes.

De acordo com Lane Machado*, funcionária de uma seguradora autorizada do DPVAT, em alguns casos, funcionários do IML chegam a indicar esses golpistas para os familiares de pessoas que morreram em acidente de trânsito. “As vítimas desses golpes não são bem informadas sobre o seguro obrigatório e por falta de uma orientação confiável acabam aceitando essas indicações”, relatou.

A funcionária também relata que muitos advogados têm praticado esse golpe. “Já vieram pessoas aqui nos informar que, nas delegacias, policiais chegam indicar advogados para fazer esse serviço. Quando eles recebem o benefício ficam com uma boa parte do dinheiro alegando que é pelo serviço prestado, mas esse serviço deve ser feito sem ser cobrado nada”.

No último dia 7 de abril, o pedreiro José Silva* foi abordado por um homem nas dependências do pronto-socorro Infantil João Lúcio que se oferecia para dar entrada no Seguro DPVAT por ele. Mesmo abalado com a morte do filho de 9 anos, vítima de atropelamento, o pedreiro ignorou a abordagem do suposto golpista. “É um absurdo essas pessoas querendo se aproveitar de um momento triste da família para conseguir ganhar dinheiro”, reclamou José.

Por conta dos golpes do Seguro DPVAT praticados em Manaus, Lane Machado também ressalta que a procura pelo serviço nos escritórios autorizados tem reduzido. Segundo ela, para evitar que sejam vítimas desse crime, os familiares devem buscar informações por meio do site www.dpvatseguro.com.br ou pelo 0800 0221204.

Denúncias
A Secretaria de Estado da Saúde (Susam) informou que até o momento não chegou a receber denúncias sobre a abordagem de golpistas em dependências dos hospitais e que só poderá tomar providências se as vítimas formalizarem a denúncia na secretaria.

A Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Municipal de Manaus também pretende buscar uma solução para combater esse crime em audiência pública.