Publicidade
Manaus
Manaus

Seminário discute propostas sobre ampliação de negros nas Casas Legislativos brasileiras

Na terça-feira (13), na Câmara dos Deputados, o Inesc participou do seminário “A Sub-representação de Negras e Negros no Parlamento Brasileiro” 16/11/2012 às 08:46
Show 1
Deputado Luiz Alberto (ao centro) discute sub-representação dos negros na política e questiona modelo de campanha
acrítica ---

O presidente da Frente Parlamentar Mista pela Igualdade Racial e em Defesa dos Quilombolas, deputado Luiz Alberto (PT-BA) defendeu o fim do financiamento privado de campanha como forma de aumentar a presença de representantes negros na política brasileira. A informação é do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc).

A afirmação do parlamentar vai ao encontro de uma das propostas da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político. Na terça-feira (13), na Câmara dos Deputados, o Inesc participou do seminário “A Sub-representação de Negras e Negros no Parlamento Brasileiro”.

O pesquisador José Antônio Moroni, membro do colegiado de gestão do Inesc também defendeu o financiamento público exclusivo de campanha, Moroni chamou a atenção para outro item que é apresentado dentro da proposta de lei de iniciativa popular, que está aberta para assinaturas no endereço www.inesc.org.br. “Precisamos de listas preordenadas nas eleições, a fim de aumentar o número de parlamentares negros/as no Congresso”, disse.

A ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, uma das expositoras no seminário, disse que a pequena parcela de negros/as no parlamento brasileiro se devido ao racismo. “Existe a percepção de alguns partidos e eleitores de que o candidato ‘ideal’ é homem, branco, cristão e heterossexual. Qualquer cidadão que fuja desse padrão enfrenta mais dificuldades para entrar na vida pública”, ressaltou.

“Precisamos de acesso a recursos de campanha, material de propaganda e recursos logísticos, sem isso continuaremos sendo poucos”, disse o professor Cloves Oliveira, da Universidade Federal da Bahia. Para ele, esse é o primeiro obstáculo a ser vencido.