Publicidade
Manaus
Manaus

Semmas investiga origem de fumaça preta em bairros da Zona Sul de Manaus

A fuligem deixou rastro nas casas e veículos que estavam estacionados. Os moradores não souberam informar de que direção veio a fumaça, mas disseram que sentiram um forte cheiro de queimado na madrugada e pela manhã  foram surpreendidos pela nuvem preta 14/06/2012 às 14:26
Show 1
Morador resgistrou origem de fumaça preta na Zona Sul
acritica.com Manaus (AM)

Fiscais da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) fizeram uma varredura em fábricas situadas em bairros da Zona Sul de Manaus, a fim de localizar a origem de uma grande nuvem de fuligem que tomou conta das ruas de pelo menos quatro bairros, na manhã desta quinta-feira (14).

A fuligem deixou rastro nas casas e veículos que estavam estacionados. Os moradores não souberam informar de que direção veio a fumaça, mas disseram que sentiram um forte cheiro de queimado na madrugada e pela manhã  foram surpreendidos pela nuvem preta.

Os fiscais da Semmas Paulo Ivan e Paulo Dias percorreram várias ruas do bairro e confirmaram que a fuligem é proveniente da queima de resíduos, feita à noite na tentativa de driblar a fiscalização. Pela dimensão da área atingida, os fiscais acreditam tratar-se de queima de resíduos industriais.

A primeira unidade fiscalizada foi uma fábrica de beneficiamento de castanha, situada no bairro do Educandos. No local, não foram  encontrados indícios de queima e a indústria estava com o licenciamento em dia, assim como na indústria fabricante de lonas plásticas situada no Morro da Liberdade.

A Semmas informa que vai monitorar a área e solicita dos moradores que entrem em contato com o órgão pelo 08000-92-2000 (Linha Verde da Semmas) assim que ocorrer um novo registro de poluição atmosférica.

O serviço funciona 24 horas e será possível fazer o flagrante. A queima de resíduos na Lei Federal 9.605/98 e na Lei 605/2001 e pode ser passível de multa que vai de 10 a 500 Unidades Fiscais do Município (UFMs). O valor da multa varia de acordo com a gravidade do crime, o tipo de material queimado e o tamanho da área atingida.

Com informações da assessoria.