Publicidade
Manaus
Manaus

Servidores públicos fazem acampamento e queimam documento que prevê corte de ponto, em Manaus

Servidores do Ministério da Saúde/Funasa realizam acampamento na porta do órgão como reivindicação contra o corte de ponto dos grevistas 16/07/2012 às 10:44
Show 1
Servidores da Funasa queimaram réplica do documento que prevê o corte de ponto
acritica.com Manaus (AM)

Os servidores públicos federais do Ministério da Saúde, Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), que atuam no Amazonas, realizam um acampamento na porta do órgão, localizado na Rua Oswaldo Cruz, na Glória, Zona Sul, para protestar contra o parecer do Ministério do Planejamento, que determina corte de pontos dos grevistas. Na ocasião eles queimaram uma réplica do documento que prevê desconto nos salários dos grevistas.

Paralisados desde o último dia 2 de julho, a categoria se diz surpreendida pela medida da Secretaria de Relações do Trabalho e de Gestão Pública no Serviço Público do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), expedida no dia 6 de julho, que recomenda aos setores de recursos humanos dos órgãos o corte de ponto de todos os servidores federais que aderiram a greve nacional da categoria.

“Não vamos aceitar ser coagidos dessa maneira. Estamos em greve por melhores condições de trabalho e reajuste salarial. Tentamos por diversas vezes negociar com o governo, mas só levamos porta na cara”, disse Geralda Oliveira, diretora administrativa do Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Amazonas (Sindsep/AM).

Além de acamparem na porta do órgão, os servidores também irão atear fogo no parecer do MPOG como forma de protesto. “Vamos fazer uma grande fogueira na porta da Funasa e queimar essa determinação. Queremos provar ao governo federal que somos trabalhadores e não vamos nos intimidar com esse ato”, reforçou Menandro Sodré, secretário-geral do Sindsep/AM.

Na última sexta-feira (13) os servidores do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e Fundação Nacional do Índio (Funai) também colocaram fogo no parecer do Ministério. A principal demanda da categoria é a reestruturação das diversas carreiras do setor público, visando uma política eficiente que garanta qualidade dos serviços prestados à sociedade.

Grevistas

No Amazonas, até o momento, cinco órgãos federais estão em greve. Eles são a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Fundação Nacional do Índio (Funai), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e Ministério da Agricultura paralisaram suas atividades desde a última segunda-feira (2). Na última quinta-feira (5) servidores do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa) decidiram aderir a greve.

A principal demanda da categoria é a reestruturação das diversas carreiras do setor público, visando uma política eficiente que garanta qualidade dos serviços prestados à sociedade. Os servidores do SINDSEP/AM iniciaram ato grevista no dia 2 de julho.

Governo

O anúncio da carta, que prevê o corte de ponto desde o dia 18 de junho, para os servidores que aderiam à greve nacional em datas anteriores, foi feito no dia 6 de julho. O governo federal afirma que as negociações com os servidores não serão interrompidas, pois trabalha com uma data limite de 31 de julho para concluir os estudos sobre a possibilidade de conceder o reajuste salarial, embora considere que o prazo final é 31 de agosto, data final para enviar o projeto do Orçamento para 2013 ao Congresso Nacional.