Publicidade
Manaus
Manaus

Sinetram quer fazer valer contrato que aumenta tarifa de ônibus

Donos das empresas de ônibus decidem nesta sexta-feira (21) se vão cobrar o reajuste da tarifa do prefeito Amazonino ou esperam pela posse de Artur 21/12/2012 às 08:48
Show 1
Empresas alegam que contrato obriga PMM a conceder o reajuste anual da tarifa
acritica.com ---

O Sindicato das Empresas do Transporte Coletivo Urbano de Manaus (Sinetram) define, em reunião prevista para esta sexta-feira (21), se cobra o reajuste anual da tarifa do prefeito Amazonino Mendes (PDT) ou espera a posse do prefeito eleito Artur Neto (PSDB).

Assessor do Sinetram, Fernando Reis disse que se Amazonino e Artur decidirem negar o reajuste, a entidade deverá ir a Justiça cobrar uma nova tarifa conforme estabelece o contrato.

De acordo com estudo realizado por técnicos da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) a passagem deveria sair de R$ 2,75 para R$ 2,91.

A SMTU destacou que o cálculo para o reajuste foi feito levando em consideração os seguintes itens: faturamento das empresas, consumo de diesel, índice de passageiros por quilômetro realizado, consumo de peças  e velocidade média percorrida. Também baseado neles o Sinetram chegou a um valor próximo a R$ 3,25.

“Após as decisões da classe vamos tentar o diálogo com a prefeitura, caso contrário temos subsídios suficientes para entrar na Justiça requerendo o direito”, disse Reis.

Meia passagem

Para melhorar a eficiência finananceira do sistema, um total de 14.943 pessoas perderam o direito de usar à meia passagem no sistema de transporte coletivo de Manaus, este ano. Os cadastros são referentes as pessoas que informaram no sistema online que estudavam regularmente, mas que ao serem submetidas ao confronto de dados da escola onde alegavam estudar e do Sinetram se verificou que não eram estudantes ou que abandonaram o ensino regular.