Publicidade
Manaus
Polícia,Polícia Militar do Amazonas,Ronda no Bairro,Coronel Almir David,ALE/AM,Motim,prisão

Soldado da PM detido sob suspeita de insubordinação deve ser liberado nas próximas horas

Platiny Soares foi detido juntamente com Thiago Pinheiro, após eles e outros 250 praças realizarem um manifesto na ALE-AM, cobrando a promoção de 1.800 soldados, que ainda recebem como alunos-soldados 14/09/2012 às 22:01
Show 1
Atualmente os novos soldados recebem a quantia de R$ 1.398,51 brutos, R$ 698,97 de soldo e R$ 622,04 de gratificação
acritica.com Manaus

Familiares do soldado da Polícia Militar, Platiny Soares Lopes, 20, detido na última terça-feira (11) à noite, aguardam o resultado de um pedido de relaxamento de prisão, impetrado nessa quinta-feira (13), no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM). O soldado Thiago dos Santos Pinheiro, 25, detido juntamente com Platiny, foi liberado nessa quinta-feira à noite.

A dupla foi presa após participar de um protesto na terça-feira, pela manhã na Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), no qual 250 soldados estiveram no local reivindicando a intermediação dos parlamentares na liberação da promoção dos 1.800 novos PMs admitidos pelo Estado por meio de um concurso público, realizado em 2011.

Apesar de já estarem atuando nas ruas - a maioria no programa Ronda nos Bairros -, os policiais ainda continuam recebendo o salário da época em que eram alunos-soldados.

De acordo com a namorada de Platiny, a estudante universitária Gabriela Correia, 21, a expectativa pela soltura do militar é grande.    

A justificativa da prisão de Thiago, lotado na 23ª Companhia Interativa Comunitária (23º Cicom), e Platiny, que serve na 5ª Cicom, conforme o comandante geral da Polícia Militar do Amazonas, coronel Almir Davi, se deu pelo fato do grupo ter traído os princípios da disciplina pregados pela instituição militar.

Os militares teriam infringido os artigos 165 e 166, do Código Penal Militar, referente aos crimes de Reunião Ilícita e Publicação ou Crítica indevida, respectivamente.

“Não cabia prisão em flagrante, pois já havia passado mais de 10 horas do protesto”, informa Gabriela. Platiny, segundo ela estava na faculdade, quando foi chamado a se apresentar no quartel e recebeu voz de prisão.

Um dia após a prisão, o Comando Geral da Polícia Militar divulgou uma nota sobre o ocorrido.