Publicidade
Manaus
Manaus

Subida das águas do rio Negro deve inundar Manaus

Construções seguem nível de segurança de 29 m; rio chegará a 30m. Engenheiro diz que shoppings, feiras e praças devem ser atingidos pelas águas 10/05/2012 às 22:51
Show 1
Em 2009, igarapé do Mindú, que passa pelo Parque dos Bilhares, chegou a transbordar em função da cheia
Ana Paula Sena Manaus

A cota máxima de 30,13 metros do Rio Negro, prevista pela Superintendência Regional do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) para este ano, deverá atingir Manaus muito além das fronteiras da beira dos igarapés e da orla da cidade, chegando a shoppings, feiras e praças em regiões mais afastadas. Os cálculos feitos pela Defesa Civil Municipal, contabilizam que cerca de 3,6 mil famílias sofrerão com a subida do nível da água do Rio Negro. Pelo menos onze bairros terão áreas alagadas somando cerca de 18,3 mil pessoas prejudicadas.

De acordo com o engenheiro civil Waltair Machado, edificações como o estacionamento do shopping Millennium, feira da Manaus Moderna, Parque dos Bilhares, Praça dos Remédios e várias ruas do Centro podem ficar embaixo d‘água. A assessoria do shopping contesta o dado, esclarecendo que o local foi edificado acima do limite da lei atual (nota abaixo).

“Existe uma cota de segurança para construções em Manaus, que é seguida na maioria das edificações da capital e, se de fato a enchente ultrapassar essa margem, muitas pessoas devem ficar no prejuízo”, afirmou.

A cota para edificações que está em vigor, segundo o Plano Diretor vigente, de 2002, é de 29 metros. Na revisão do documento, que foi encaminhado para Câmara Municipal de Manaus (CMM) no último dia 27, consta a alteração para 30 metros. A maioria das edificações foram feitas com base na metragem de 29 metros acima do nível do mar.

Conforme o engenheiro Waltair Machado, o sistema viário, incluindo a Ponte Sobre o Rio Negro não deve sofrer com a cheia. “Ela foi construída com a cota de segurança de 31,5 metros em relação ao nível do mar”, explicou.

Caso chegue a atingir a cota máxima, a cheia irá superar em 39 centímetros a maior enchente registrada em 2009, quando o rio alcançou a cota de 29,77 m.

Mesmo diante dos números divulgados, A Prefeitura de Manaus confirmou, por meio de assessoria, que não há plano de emergência para prédios na capital, e sim, assistência apenas para áreas ribeirinhas e ruas do Centro.

Segundo o Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), a cota é estipulada pela Capitania dos Portos e a Prefeitura se vale desta para estipular um nível de previsão mínima.

 Trecho de avenidas em Manaus é alagado por igarapé

Os bairros que poderão ter maior espaço invadido pela água são Glória (720 residências na iminência de serem alagadas), Presidente Vargas (595 residências) e São Raimundo (495 residências). Ainda somam-se casas em áreas do São Geraldo, São Jorge, Educandos, Aparecida, Betânia, Raiz, Morro da Liberdade e algumas ruas do Centro. O total estimado de casas alagadas é de 3.468.

O Plano Emergencial da Defesa Civil do municipio prevê ações como construção de pontes de madeira, ações básicas de saúde, com a distribuição de medicamentos e cartilhas, e a concessão do “Cartão Enchente”, no valor estimado de R$ 400, para as pessoas cadastradas e comprovadamente prejudicadas pela cheia.

De acordo com o plano, as ações começaram no final de abril, quando o Serviço Geológico do Brasil deu o primeiro alerta de cheia. O Governo do Estado também informou que vai auxiliar com medidas emergenciais como a construção de passarelas, marombas, entrega de madeira, retirada de lixo, distribuição de hipoclorito de sódio, além da retirada das famílias pelo Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim), prevista para iniciar no final do ano. A ação emergencial está sendo coordenada pela Defesa Civil do Estado em conjunto com várias secretarias.

Famílias dos bairros Glória e Presidente Vargas, na Zona Centro-Oeste, e a comunidade da Sharp, na Zona Leste, foram as primeiras a receber a ajuda humanitária e apoio para diminuir os impactos da cheia. Equipes do Governo do Estado que trabalham na construção de passarelas, na entrega de madeiras para erguer marombas, retirada de lixo e distribuição de hipoclorito de sódio.

Interdição

O Manaustrans sinalizou o fechamento do  cruzamento da rua dos Barés com Joaquim Nabuco desde segunda-feira, 30, com cones, por causa do alagamento. A interdição deste trecho permanece.

A assessoria do Manaustrans informou, por meio de nota, que no Centro, os agentes de trânsito estão orientando os motoristas a utilizarem as ruas Miranda Leão e Andradas para acessar a Lourenço da Silva Braga (Manaus Moderna).

Além da rua dos Barés, o Manaustrans está monitorando outras vias que podem ser alagadas. O trabalho consiste em sinalizar as áreas afetadas e orientar condutores a utilizar desvios.

Nota do Millenium

"No sentido de colaborar com a cobertura séria e competente que este jornal  A Crítica vem dispensando à sociedade amazonense,o Millennium Shopping gostaria de esclarecer alguns pontos em relação a matéria publicada na editoria de Cidades edição de ontem, dia 07 de maio de 2012, em que é citado.

Fundado em dezembro de 2004, o Millennium Center é uma das mais modernas construções da cidade de Manaus. Complexo multiuso, com três torres (Medical, Flat e Business), além de um shopping, o espaço foi erguido considerando, entre tantos aspectos, a questão ambiental e o atendimento às normas do Plano Diretor de Manaus.

Neste sentido, e até mesmo antecipando-se às normas, é que o Millennium foi construído obedecendo a cota de edificação de 30,5 metros, superior ao que estabelece o Plano Diretor de Manaus, tanto em sua versão original, quanto na sua mais recente revisão, que apontam,respectivamente, a obrigatoriedade das cotas de 29 e 30 metros.

Dessa forma, o Millennium gostaria de tranqüilizar os lojistas, funcionários e o público em geral que freqüenta o shopping.

Contando com a compreensão dos editores e da direção deste prestigioso jornal, pedimos encarecidamente que registrem nosso esclarecimento."