Publicidade
Manaus
MAIS BARATO

Taxistas vão fazer bandeira 1 em dezembro para concorrer com apps de transporte

Segundo o Sindtáxi, ao menos 30% dos profissionais não vão cobrar a bandeira 2, mais cara, para competir com Uber, 99OP e YetGO 17/11/2017 às 16:55 - Atualizado em 17/11/2017 às 19:01
Show taxib2
A procura pelos serviços de Táxi diminuiu com a chegada dos aplicativos de transporte privado (Foto: Arquivo AC)
Amanda Guimarães Manaus (AM)

Os taxistas de Manaus podem utilizar a bandeira 2 nas corridas a partir do dia 1º de dezembro, mas para fugir da crise que assola a categoria desde a chegada dos aplicativos de transporte na cidade, alguns profissionais decidiram inovar e apostar em novas medidas. Estes funcionários vão cobrar no próximo mês a bandeira 1, mais barata, para chamar atenção dos usuários na capital.

O presidente do Sindicato dos Taxistas de Manaus (Sindtáxi), Luiz Augusto, informou que 30% dos profissionais devem atuar com a bandeira 1 na capital em um dos meses mais festivos do ano.  “A troca da bandeira 1 para a 2 no mês de dezembro é um decreto municipal. Ano passado atuamos dessa forma, mas na época os aplicativos ainda não existiam em Manaus. Este ano estamos enfrentando uma crise e 30% da categoria vai atuar com a bandeira 1, mas é bom frisar que não são todos, nem a metade”, ressaltou o sindicalista.

O decreto n° 3.286 regulamenta a Lei Municipal n° 2.088, de 30 de dezembro de 2015, que legaliza a utilização da bandeira 2 a partir do 1° do mês de dezembro. A Lei foi aprovada para que a categoria arrecadasse o abono salarial equivalente ao 13º salário.

Sobre a troca das bandeiras, o presidente do Sindtáxi afirmou que a escolha dos profissionais deve ser respeitada. “Por conta da crise, alguns taxistas vão aderir a bandeira 1. Nós como sindicato não podemos obrigar que o taxista trabalhe com determinada bandeira, porque a nossa situação é muito complicada. Não estamos conseguindo nem ter um salário, imagina o décimo terceiro”, relatou.

Em dias comuns na cidade de Manaus, a bandeira 1 é cobrada das 6h às 22h, exceto nas corridas de táxis convencionais de ida e/ou volta para o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. A bandeira 2 é praticada das 22h às 6h em dias úteis, nos feriados e finais de semana.

Alternativa para desconto

Procurado pela reportagem, o vereador Elissandro Amorim Bessa (PHS), um dos parlamentares a levantar a bandeira contrária aos serviços de aplicativos de transporte, se posicionou a favor da troca das bandeiras do taxímetro. Ele destacou que por conta do surgimento de aplicativos de transporte de Manaus a procura pelo táxi diminuiu, por isso é válido o profissional buscar soluções para chamar a atenção do cliente.

“A troca da tarifa é válida pela situação que o País enfrenta e com a concorrência no sistema de transporte de Manaus com o surgimento dos aplicativos. Com a bandeira 2, os valores ficam acima, então, quem ganha é a população com a utilização da tarifa mais barata”, ressaltou.

Sem penalidades

O vereador também afirmou que os taxistas que aderirem a bandeira 1 não devem ser penalizados, pois no decreto municipal está escrito  que os profissionais podem promover descontos para os clientes.

“Quem trocar de tarifa não deve ser penalizado, porque na mesma lei que autoriza a cobrança da bandeira 2 no mês de dezembro, consta que os taxistas podem fazer descontos. Os profissionais podem transportar as pessoas com os valores que eles acham conveniente. Ninguém pode obrigar ninguém a trabalhar com a bandeira 2”, destacou o vereador.

Bessa ainda comenta que as cooperativas de táxis da cidade de Manaus estão criando novas medidas para oferecer ao cliente um preço parecido de aplicativos como Uber, 99POP e YetGO. “Algumas cooperativas estão proporcionando aos clientes, no aplicativo de cada empresa, os preços mais baratos, parecidos como os aplicativos mais tradicionais da cidade. O serviço do taxista é melhor”, defendeu o político.

Profissional vai aderir

O taxista Marivaldo Bahia, de 45 anos, comentou que vai aderir a troca de bandeiras na cobrança dos passageiros. “Estamos atrás de melhorias para chegar perto dos aplicativos de transporte. Não temos como competir com eles, porque os preços são diferenciados. Precisamos nos adaptar ao sistema, por isso vou cobrar bandeira 1 neste mês de dezembro”, completou.