Publicidade
Manaus
Salários atrasados

Servidores do Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto prometem fazer paralisação

Há três meses sem salário, servidores ameaçam parar; Sefaz promete repasse ainda nesta terça-feira (17) 16/05/2016 às 19:55 - Atualizado em 17/05/2016 às 09:20
Show protesto
Na semana passada, funcionários protestaram em frente à unidade de saúde (foto: Antônio Menezes)
Marcela Moraes Manaus (AM)

“Permanecemos trabalhando de graça! Nossas contas estão atrasadas e estamos nos endividando com familiares, amigos, conhecidos, contraindo empréstimos porque não temos dinheiro nem mesmo para a passagem de ônibus”. 

O desabafo é de um dos tantos funcionários dos setores de limpeza, manutenção, administrativo e almoxarifado que prestam serviços ao Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, da rede pública estadual. Segundo eles, a justificativa para o atraso dos salários é a demora do governo em fazer os repasses para as empresas terceirizadas.

Por medo de serem demitidos ou sofrerem retaliações, os trabalhadores denunciaram o atraso nos pagamentos, mas não quiseram se identificar. É o caso de uma Maria*, que corre o risco de perder a guarda dos filhos por conta do impasse. “Virou uma bola de neve essa espera. Eu vivo com o salário daqui, sou separada do meu marido, crio dois filhos e, se não sair o pagamento logo, terei que levar as crianças para a casa do pai para que elas possam, pelo menos, comer. Não tenho mais de onde tirar dinheiro: já emprestei e fiz de tudo nesses três meses de salários atrasados”, desabafou.

Outra funcionária que atua no setor de limpeza, e também não quis ser identificada, disse que “se vira como pode” para chegar ao trabalho todos os dias, mesmo sem receber o salário, com o qual comprava o vale-transporte. Dificuldades à parte, o maior medo dela é passar pelo trauma do despejo, como aconteceu com uma colega de trabalho, situação que a deixou revoltada com os atrasos nos salários. “Uma colega que mora em casa alugada estava desesperada, aos prantos. Ela foi ameaçada de  despejo porque ainda não tinha efetuado o pagamento dos aluguéis atrasados”, contou.

Conforme informações dos trabalhadores terceirizados, na sexta-feira alguns plantonistas se reuniram e informaram aos superiores que não iriam trabalhar no plantão de domingo, alegando que  não tinham mais como custear as passagens de ônibus. Segundo os funcionários, a direção do Hospital repassou o dinheiro do vale-transporte para que os serviços não fossem paralisados no domingo.

Posicionamento

A Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz) informou, por meio de nota,  que os recursos serão repassados hoje para o Fundo Estadual de Saúde. Com os recursos, a Secretaria de Estado da Saúde (Susam) fará o pagamento de seus fornecedores, entre eles o da empresa terceirizada prestadora de serviços de limpeza e manutenção no HPS 28 de Agosto.

“Em geral, o Estado tem atrasado o pagamento de fornecedores devido à brutal queda de arrecadação própria, decorrente da redução da atividade econômica, que afeta sobremaneira o desempenho do polo industrial da Zona Franca de Manaus, o principal vetor de desenvolvimento econômico do Estado. De qualquer modo, o governo do Amazonas vem se empenhando e mantido a regularidade de pagamentos de seus fornecedores, assim como a manutenção do salário do funcionalismo público em dia”, informou a nota.

À espera do repasse

Na sexta-feira (13), a Susam informou que aguardava a liberação de recursos pela Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz) para a regularização do pagamento da empresa prestadora de serviço. De acordo com a Sefaz, o repasse ao Fundo Estadual de Saúde deve ser realizado ainda nesta terça-feira (17).