Publicidade
Manaus
CASO OSCAR CARDOSO

TJAM julga João Branco e réus envolvidos na morte de delegado nesta sexta (13)

Crime ocorreu em março de 2014 e julgamento já foi adiado cinco vezes. João Branco está preso em Catanduvas, no Paraná, e será ouvido por videoconferência 12/04/2018 às 16:44
Show show joao branco
Foto: Arquivo/AC
acritica.com Manaus (AM)

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) julga nesta sexta-feira (13) os réus João Pinto Carioca, também conhecido como “João Branco”, Marcos Roberto Miranda da Silva, o “Marcos Pará”, Diego Bruno de Souza Moldes e Messias Maia Sodré, acusados de envolvimento na morte do delegado Oscar Cardoso Filho. O crime ocorreu em março de 2014.

Foram arroladas um total de 15 testemunhas, tanto pela acusação quanto pelas defesas. O julgamento está marcado para começar às 8h30 desta sexta-feira, no Plenário do Fórum de Justiça Ministro Henoch Reis, localizado na avenida Jornalista Umberto Calderaro Filho, bairro de São Francisco, zona Sul de Manaus, e deve se estender pelo fim de semana.

O Juízo da 2ª Vara do Tribunal do Júri proibiu a entrada, no Plenário do Júri, onde acontecerá o julgamento, de aparelhos celulares e/ou qualquer tipo de equipamento de fotografia ou filmagem.

Sexta tentativa

Esta será a sexta tentativa do Judiciário em julgar esses réus. No último julgamento, em agosto do ano passado, a realização do júri ficou prejudicada. O advogado de João Pinto Carioca e o defensor público que representou o réu Messias Maia Sodré se recusaram a realizar a defesa dos dois acusados e o Juízo da 2ª Vara do Tribunal do Júri considerou abandono de plenário.

Os outros dois réus – Diego Bruno e Marcos Roberto Miranda da Silva -, desconstituíram seus advogados durante a sessão e o julgamento dos quatro não pode continuar. No mesmo processo, a defesa de Mário Jorge Nobre de Albuquerque, o “Mário Tabatinga”, permaneceu em plenário e este réu foi julgado nos dias 25 e 26 de agosto do ano passado.

A participação de João Pinto Carioca, que encontra-se preso no presídio federal de Catanduvas, interior do Paraná, será por meio de videoconferência. Os demais, presencial. Os réus serão julgados com base nos artigos 121, § 2º, I, III, IV c/c art. 288, "caput", todos do Código Penal Brasileiro.

Publicidade
Publicidade