Publicidade
Manaus
Manaus

Traficante morto é homenageado por comparsas com pintura em muro

Os comparsas do traficante Pedro Teles da Silva, o "Belo", morto mês passado em um acerto de contas pelo comando do tráfico o homenagearam com uma caricatura pintada em um muro no bairro São José 2, zona Leste de Manaus. Os moradores ficaram revoltados mas tem medo de represálias. A polícia investiga o caso. 18/07/2012 às 20:35
Show 1
Traficante morto é homenageado com pintura em mural no bairro em que morava
Catiane Moura ---

Uma dedicatória no muro do Centro de Desenvolvimento Comunitário (CDC), localizado na rua J, no São José 2, na Zona Leste de Manaus, chama atenção de quem passa pelo local há pelo menos duas semanas.  Com sentimentos de saudades, suposto traficantes, possivelmente soldados do homenageado, Pedro Teles da Silva, 29, o “Belo”, morto no mês passado, vítima de um acerto de contas do tráfico de drogas, mandaram desenhar a caricatura do suspeito, expressando respeito e saudade ao eterno ‘amigo’. O desenho já está sendo investigado pela polícia, que considera a ação como um crime ambiental e apologia ao tráfico de drogas.

A imagem grafada que segue com a frase “Dedicado ao nosso eterno egrande amigo Junior”, apelido pelo qual também era conhecido, fica ao lado de uma escola  e causou revolta entre moradores, que por terem represálias preferiram não se identificar. “Eles pintaram durante a noite. Eram uns quatro caras. No dia seguinte outras pessoas vieram olhar e até tiraram fotos, mas a gente que é morador, não pode falar nada sobre isso, pois corremos risco de morrer”, disse um morador.



Conforme os denunciantes, em menos de dois meses, quatro pessoas foramassassinadas na mesma avenida, todas elas, conformes eles, eram
envolvidas com o tráfico. Belo foi morto em julho, com seis tiros de revólver calibre 38. Segundo relatos de testemunhas,  no dia do crime, a vítima estava sentada em frente de um prédio abandonado, quando dois criminosos efetuou seis disparos, de dentro de um carro modelo Saveiro, cor prata, de placas não identificadas e fugiu.  A polícia suspeita que o crime tenha sido motivado pelo tráfico de drogas.

Há duas semanas atrás, a poucos metros do local onde Belo morreu, dois supostos aviões dele, identificados como ‘Calcinha’ e ‘Ana Cola’, também foram assassinados.  Os dois foram mortos a tiros. A mulher ainda ficou hospitalizada uma semana, mas  veio a óbito vítima de três tiros, Calçinha morreu na hora do crime.

O delegado titular do 9° Distrito Integrado de Polícia (DIP), Thiago Tenório, informou que há dois dias, várias denúncias sobre a pichação no muro foi denunciada. “Nós já estamos investigando esse caso. Uma equipe do DIP já foi ao local e estamos trabalhando para identificar os suspeitos. A princípio, este caso, trata-se de um crime ambiental, mas também estamos trabalhando com a hipótese de apologia ao tráfico
de drogas”, disse o delegado.