Publicidade
Manaus
Manaus

Tribunal de Justiça do Amazonas espera 85 mil inscritos em concurso para servidores e juízes

Em visita à Rede Calderaro de Comunicação, João Simões fez balanço de sua gestão e falou sobre os próximos concursos do Tribunal 29/06/2012 às 18:13
Show 1
Durante conversa, o desembargador comentou dos grandes avanços que aconteceram no TJAM
Camila Pereira Manaus

Pelo menos 85 mil inscrições são esperadas pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) nos concursos para juízes e servidores este ano. O Poder Judiciário, que abrirá 400 vagas no corpo técnico e 30 na magistratura, ainda não definiu, porém, qual instituição realizará o certame. "Procuramos uma empresa que reúna três características: competência, credibilidade e transparência", resumiu o presidente do TJAM, João de Jesus Abdala Simões.

A cinco dias de deixar a presidência do Tribunal de Justiça do Amazonas, o desembargador fez uma visita de cortesia à Rede Calderaro de Comunicação, onde falou do concurso e fez um balanço de sua gestão. Simões afirmou que, no orçamento deste ano, não está previsto o aumento do número de juízes de segunda entrância.

“A necessidade maior, por enquanto, é de mais juízes, visto que o TJAM deverá aumentar a sua participação no interior do Estado”, disse Simões que lembrou que deixa o cargo de presidente com uma ampliação de 70% no valor do orçamento anual do Judiciário.

Ele também afirmou que as grandes marcas de sua gestão à frente d o Tribunal foram o equilíbrio econômico administrativo conquistado e, no campo jurisdicional, o alcance de todas as metas.

Avanços

Durante conversa, o desembargador comentou sobre os grandes avanços que aconteceram no TJAM, principalmente no que diz respeito aos investimentos em tecnologia. “A virtualização do sistema judiciário é uma grande vantagem, já que os processos podem ser acompanhados online, a vista de todos”, comemorou.

Mesmo de terno e gravata, o desembargador estava descontraído e adotou na visita um ar despojado. Ele disse que a presidência deixará saudades, mas que continuará servindo a magistratura com o empenho de sempre. “O tempo livre dedicarei aos estudos, a projetos e ao ensino. Acredito que com a minha experiência ainda possa contribuir com o jurisdicional, principalmente com os juizados especiais, onde a Justiça está mais perto do cidadão”, disse.