Publicidade
Manaus
Manaus

Universidade Federal do Amazonas tem alto déficit de professores

Dossiê da Adua aponta problemas que vão da falta de docentes a instalações inadequadas para lecionar 03/08/2012 às 09:00
Show 1
Universidade Federal do Amazonas
acritica.com Manaus (AM)

Em virtude dos 78 dias de paralisação, os integrantes do Comando local de greve devem elaborar uma carta aos alunos para explicar o movimento e contar com apoio dos discentes, que também sofrem com a precariedade das instituições.

O estudante de engenharia de produção, Francirley Rodrigues, é um dos que conhece o problema. Ele destacou que a disciplina de Usinagem está há mais de dois anos sem professor. Desta forma, Rodrigues salientou que o retorno de todo o movimento será positivo aos alunos somente se houver melhora na verba de educação e, consequentemente, nos cursos.

Segundo o presidente da Associação dos Docentes da Ufam (Adua), Antônio Neto, a instituição contava com ausência de aulas antes mesmo da deflagração da greve, devido a falta de professores suficientes para atender as turmas.

Conforme dossiê elaborado pelo comando de greve nas dependências da Ufam tanto da capital quanto do interior, após o Programa de Reestruturação das Universidades (Reuni), criado por meio do Decreto nº 6.096/2007, o déficit de profissionais para assumirem as aulas cresceu, devido o aumento no acesso de estudantes sem a contratação de professores e técnicos na mesma proporção.

As unidades acadêmicas com maior deficiência são Faculdade de Tecnologia, com 28 disciplinas sem professores; Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL) e Instituto de Ciências Exatas, com 20 disciplinas sem professores, cada um.

Dentre os problemas apontados no documento estão: aulas ministradas em instalações inadequadas; aumento da contratação de professores temporários; morosidade na contratação de professores efetivos; laboratórios não instalados; e salas de aula superlotadas.

Neto frisou que chegou a dar aula para 60 alunos, quantidade que exige um esforço maior dos professores, desgastando a saúde de muitos, e impede a qualidade do serviço.