Publicidade
Manaus
Manaus

Universitária é detida após quebrar máquina de atendimento no Sinetram, em Manaus

Luana Lopes justificou o ataque de fúria por conta da demora no atendimento. "Muita gente pra ser atendida e pouco funcionário para atender todo mundo. Há mais de uma semana que eu não consigo ser atendida, ai fui lá e quebrei mesmo", relatou a universitária 06/03/2012 às 12:59
Show 1
Sede do Sinetram
Evelyn Souza Manaus

A universitária Luana Ambrósio Lopes, 26, foi detida na manhã desta terça-feira  (6), por volta de 10h após quebrar umas das máquinas dos guichês de atendimento do Sinetram, na Avenida Constantino Nery, no Centro de Manaus. Ela justificou o ataque de fúria por conta da demora no atendimento.

“Eu cheguei lá cedo e fiquei na fila dentro do terminal pra comprar créditos. Devia ter umas 100 pessoas na minha frente, ai quando eu cheguei ao guichê a moça me disse que eu não podia comprar os créditos, pois não tinha feito recadastramento e que eu tinha que ir no Sinetram pra resolver isso”, disse a universitária.

Ao se encaminhar para a Sede do Sinetram, que fica localizada ao lado do terminal 1, Luana disse que se deparou com muita gente na fila esperando por atendimento e poucos funcionários para atender uma enorme quantidade de pessoas.

“A fila lá dentro tava gigantesca e o atendimento precário. Os funcionários tratando as pessoas muito mal. Muitas mães com criança de colo, a qualidade do sistema péssima e a demora no atendimento, tudo isso me revoltou e eu quebrei mesmo uma das máquinas. Ai depois que eu fiz isso os funcionários resolveram olhar pra mim”, ressaltou.

A estudante conta que após quebrar a máquina, um dos funcionários tentou segurá-la a força. Ela disse ainda que muitas pessoas que estavam na fila do lado de fora, ficaram “do lado” dela nessa situação.

Pouco tempo depois uma viatura a polícia chegou ao local para levar a estudante para prestar esclarecimentos na delegacia.

Luana foi encaminhada para o 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP) para prestar esclarecimentos. E na delegacia ela também reclama da demora no atendimento.

“Isso é um absurdo, até pra ser ouvido na delegacia o atendimento demora”.

Sinetram
Procurado pela reportagem do acritica.com nos telefones de final 0731/0732, o Sinetram não atendeu as ligações.