Publicidade
Manaus
Investigação

Vigilância Sanitária investiga contaminação por água em escola particular de Manaus

Por precaução, pais de alunos decidiram levar os filhos durante a aula. Relatos de outros pais confirmam vômito e diarreia em crianças 25/11/2016 às 10:15 - Atualizado em 25/11/2016 às 16:25
Vinicius Leal Manaus (AM)

Uma denúncia de contaminação por água na escola particular Centro Educacional La Salle, em Manaus, assustou pais de alunos na manhã desta sexta-feira (25). A Vigilância Sanitária foi acionada e iniciou uma investigação in loco, coletando tanto alimentos quanto porções de água para análise. Assustados, pais de alunos decidiram levar os filhos durante a aula. Relatos de outros pais confirmam vômito e diarreia em crianças.

“Estamos fazendo coleta de alimentos, de água, mas não podemos dizer se houve algo, ou um possível surto. Não sabemos quantas pessoas estão acometidas, quantas estão no hospital. Nem temos ainda alguma base que possam ligar ao problema”, disse Fernando Branco, diretor da Vigilância Sanitária. “Vamos analisar as coletas em laboratório e aí poderemos confirmar ou não se houve contaminação”, completou. O resultado dos exames deve sair na próxima semana.

O pai de uma aluna de 13 anos, que faz aula de dança na escola, confirmou à reportagem da TV A Crítica que a filha passou mal durante a madrugada. Segundo ele, a menina vomitou mais de uma vez e, na manhã de hoje, foi levada ao Hospital Samel. De acordo com o pai, a filha de 13 anos participou da aula de dança na tarde de ontem no La Salle e bebeu água no bebedouro do colégio, mas não ingeriu nenhum alimento. 

“Foi hoje de manhã antes de ir para a aula. Vômito e diarreia. A gente aguardou passar um pouco e começamos a ter informações pelo WhatsApp de que outras crianças estavam tendo os mesmos sintomas. Aí viemos direto para Unimed”, disse Bergson Rodrigues, pai de um aluno de 11 anos que estuda no 6º ano. “Ele já está tomando soro e melhorou. Passou, pelo menos por enquanto”.

Outra aluna do La Salle, de 9 anos, e que estuda na 3ª série do ensinou fundamental, também passou mal nesta manhã. Ela foi levada pela avó ao Pronto-Socorro Infantil da Unimed. “Ela foi para a aula fazer prova e logo no primeiro tempo começou a vomitar. Foi para o ambulatório e não deram nada para ela. Ligaram para mim e trouxemos ela aqui na Unimed. Ela teve vômito, febre e já tomou uma injeção. Agora está esperando 45 minutos para tomar o soro e o alívio para a febre”, disse Carmélia Pinto Damasceno, avó da menina.

Assustados

Por precaução e receio de novas contaminações, pais de alunos decidiram retirar os filhos do colégio durante a aula. “Eu soube pela Rádio mesmo que mais de 40 pessoas estavam no hospital e que era provavelmente contaminação pela água. Como eu fiquei preocupado, achei melhor vim pegá-lo logo”, disse Auricelio Henrique de Melo, pai de um aluno de 12 anos que cursa o 7º ano do ensino fundamental na escola.

“A gente soube pela rádio e providenciou logo de tirar a nossa filha. É uma suspeita de contaminação, mas não tem nada comprovado. Achamos melhor retirar nossa filha porque não sei a proporção disso. Uma vez que a gente dá o lanche das crianças, mas eles tomam a água da escola e pode ser que esteja contaminada, pode ser a lanchonete. Algo que foge ao nosso controle”, disse Cinthia Santiago, mãe de aluna de 11 anos que cursa a 6ª série do ensino fundamental.

La Salle

Em nota enviada aos pais e à imprensa, o colégio La Salle confirmou que desde o início da manhã recebeu relatos de alunos com sintomas de vômito e diarreia. “Até o momento, não sabemos as causas desse fato, mas já entramos em contato com a Secretaria Municipal de Saúde para determinar se o contágio aconteceu aqui e qual seria a possível forma de contaminação”, consta na nota.

Ainda conforme a direção da escola, os alunos que foram levados pelos pais não serão penalizados no rendimento. “Os alunos que faltarem às aulas hoje e vierem a perder provas ou trabalhos avaliativos poderão fazer essas atividades na próxima semana, sem prejuízos para seu processo de avaliação”, disse o colégio.

Poço artesiano

Segundo o diretor da Vigilância Sanitária, Fernando Branco, a água usada no La Salle é oriunda de um poço artesiano particular mantido pela instituição. “Do ponto de vista da engenharia, está tudo normal no poço artesiano. Agora do ponto de vista da água, só saberemos após as análises laboratoriais. Estamos verificando também a documentação do poço, se ele tem manutenção periódica. Se tiver algum problema em alguma dessas questões, o poço poderá ser interditado por segurança. Mas visualmente está tudo normal”, disse.

Semsa

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria de Municipal de Saúde (Semsa) solicitando informações sobre o atendimento de crianças em unidades de saúde da capital com os sintomas de diarréia e vômito, mas até a publicação da matéria não obteve resposta.