Terça-feira, 19 de Janeiro de 2021

Termina o ano, outro começa

Por Lourenço Braga, do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas


31/12/2020 às 19:01

Neste espaço já tratei de temas vários, como o racismo, a liberdade de pensar, a pandemia que castiga a humanidade, a luz que se consegue enxergar no fim do túnel com a vacina que, mercê da bondade divina, já está sendo aplicada em diferentes partes do planeta, restabelecendo a esperança, fortalecendo a fé, e hoje, quando se encerra o ano de 2020, ouso trazer a meus leitores – que espero garantam o plural da expressão – duas quase poesias em que cuido do fim de um ano e do começo de outro, com os sentimentos que imagino cabíveis no momento do término e no instante do início, assim:

ANO QUE VAI

Quando termina um ano,

como se caísse o pano

em forma de despedida

no grande teatro da vida,

outro logo começa

não há nada que impeça

já que o tempo não para

e um segundo separa

o que foi do que virá,

assim sempre será.

Hora de esquecer,

de novamente sonhar,

prometer, até jurar,

de construir, refazer

é tempo novo pra crer.

Nova pra luta a coragem

de receber na passagem

alegria o raiar do novo dia

e como se fosse magia,

o ano ainda criança

renova a esperança de crescer,

reconquistar, de vencer, recomeçar.

Pra quem não tem como lenda,

fazer de novo oferenda,

entrega de sonhos no mar

cânticos, velas reluzentes,

oração, singelos presentes

pra saudar Iemanjá.

Brinde com todos os seus,

em casa ou noutro lugar,

à distância, sem abraçar,

o ano que vai começar,

que seja muito bem-vindo

melhor que o ano findo,

com paz e bençãos de Deus.

 

COMEÇA O ANO

Hoje começa o ano,

o mês se chama janeiro

um além de dois mil e vinte

então que se erga o pano

no grande palco da vida,

no dia dito primeiro,

pra receber com requinte,

e alegria incontida.

Novos que sejam os sonhos,

deixando tempos tristonhos

no ano que acaba de ir,

bendizendo o que há de vir.

No ano agora criança

vamos plantar confiança

que é pra poder vicejar

a bela flor da esperança

conjugando o verbo amar.

Feche a porta pra tristeza,

não deixe inveja chegar,

do ciúme fuja também,

busque em você a beleza

da força de acreditar

que estamos aqui vivendo

pra ir todo dia aprendendo

a sempre fazer o bem.

Com sua fé renovada

em canto que anjo ecoe

peça que Deus abençoe,

sem tempo pra esperar,

essa nova caminhada,

que seja de fato nova

inda que posta à prova

sua decisão de mudar.

Que o novo em você se faça sem dúvida,

sem engano,

que de Deus receba a graça

no raiar do novo ano

de aprender a perdoar,

a compreender, a amar,

pra que possa, de verdade,

ter e dar felicidade.


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.