Domingo, 21 de Abril de 2019
publicidade
publicidade
publicidade

A importância da educação musical aos filhos

Introduzir a musicalização aos bebês e crianças estabelece um cenário de desenvolvimento geral


23/03/2019 às 16:51

por LAYNNA FEITOZA | foto DIVULGAÇÃO

A música contribui em vários aspectos na vida de uma criança. O período que se segue até o terceiro ano de vida é o que Maria Montessori chama de "Mind Absorvent": é nessa fase que a mente "suga" tudo que lhes é transmitido. Com toda a curiosidade característica da fase, é comum vermos os bebês e crianças emitirem ruídos e fazerem sons, por meio de batuques, sopros e afins. 

O educador musical austríaco Jaques Dalcroze afirma que a música precisa passar pelo corpo, o que torna favorável a exploração de conteúdos musicais por meio da estrutura física. Já o educador musical japonês Schinichi Suzuki acredita que as habilidades naturais se desenvolvem por meio do treinamento. Nesse sentido, quanto mais cedo se iniciar o processo de musicalização, melhor.

É isso o que defende a professora Liergi Altmann (@sol.la.si.manaus), especialista em educação musical. Na hora de ensinar música para crianças, ela salienta também os pontos primordiais a serem considerados. “Utilizamos a repetição com foco, a fim de contribuir na aquisição dessas habilidades; utilizamos também as didáticas de outros educadores musicais atuais como Estêvão Marques, Maive Ardnt, etc”, comenta ela. 

Nessa fase, a mente das crianças está limpa o suficiente. Isso faz com que o conteúdo musical seja absorvido mais rápido e de maneira mais eficaz por elas. “Costumo brincar dizendo que as crianças não têm contas pra pagar ou outras preocupações da vida para tirá-las do foco. Elas estão com a mente aberta para desenvolver habilidades musicais”, destaca a professora. 

Introdução

De acordo com Liergi, a idade ideal para iniciar as crianças à musicalização é aos 8 meses de idade. Os instrumentos musicais maiores devem ser oferecidos a partir dos 6 anos. O simples ato de disponibilizar algum instrumento menor ou objeto aos pequenos e deixá-los tirar sons conforme o seu gosto traz benefícios imensos ao desenvolvimento infantil. 

As crianças que optam por instrumentos (a partir de 6 anos) fazem a escolha do item de acordo com a afinidade. “Quem opta por estudar um instrumento musical tem aulas de teoria musical na primeira parte da aula. Todo o conteúdo é colocado na prática com atividades lúdicas e jogos, por isso intitulamos de: aula de prática teórica. Já na segunda parte da aula eles se encaminham para suas aulas de instrumento”, comenta Liergi. 

A música contribui no desenvolvimento motor, na linguagem e na fala; além de trabalhar a socialização, a concentração, a auto-estima, a criatividade e o raciocínio lógico, se estendendo até na área da matemática, diz Liergi. “Nas aulas de musicalização, porém, não trabalhamos um instrumento específico, pois o foco é o que conhecemos como ‘vivências musicais’, onde a ideia é semelhante à prática teórica. Mas não exclui a ideia de apresentar a eles os instrumentos musicais”, completa Altmann.

publicidade
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.