Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020

Bem casado, bem nascido, bem vivido...bem gostoso!


20/05/2016 às 13:21

Lídia Ferreira*

Uma das matérias delicinhas que fiz para a página Gourmet, do caderno Vida & Estilo, foi sobre o bem casado – que diga-se de passagem, não é mais só casado agora. Como estamos no mês das noivas ( ou dos noivos, como queiram), revirei os arquivos de A CRÍTICA para compartilhar com vocês aqui esse texto.

O doce conquistou outros eventos como batizados, foromaturas e aniversários e, além de um novo “sobrenome”, também passou a ter uma variação de sabores. E continua como uma opção certeira de lembracinha. Afinal, quem não ama comer uma delícia da festa em casa?

Variações

Tradicionalmente oferecido na saída dos eventos, o doce passou a ter ornamentação variada, conforme o tema da festa e, fora dos casórios, ganhou outros nomes: para agradecer a visita dos recém-nascidos ele é chamado de bem nascido; nas formaturas ganha o nome de bem formados e simbolizam sucesso e prosperidade na carreira que se inicia, significado semelhante para o bem sucedido, entregue em eventos e convenções e que também significam prosperidade e fortuna. Já nos aniversários ele pode ser o bem jovens, indicados para as festas de 15 anos, ou bem vividos para abençoar acima de um ano. Já para festejos como bodas de casamento ele é recebe o nome de bem unidos.

“Não há uma regra de etiqueta para o bem casado em outras festas, ele pode ser com o recheio escolhido pela pessoa, além do tradicional. O que diferencia mesmo são as embalagens, que podem mudar de cor, serem de tecido, de caixinha, renda...também vai do gosto de quem encomenda”, disse a doceira Cilene Martins.

Foto: Doceira Cilene Martins 

Sabores e embalagens

Na sua receita original, o bem casado é feito com pão de ló, recheio de doce de leite, coberto com açúcar e, algumas vezes, baba de moça.  A doceira Kelly Moraes ressalta que a criatividade faz a diferença na hora da escolha do sabor do recheio e também da embalagem. Segundo ela, para casamentos a opção é o tradicional doce de leite ou cupuaçu. “As embalagens sempre são de renda em tons claros, como bege ou branco. Poucas fogem desse perfil”, disse.

Os doces feitos para eventos de crianças, como bem nascido e bem feliz, geralmente abusam das cores e formatos e, geralmente, têm as caixas personalizadas como embalagem. Já nas bodas de casais e formatura, as cores da festa, com laço de cetim e uma flor decorativa são os mais comuns. “É a lembrança da festa, tem que combinar com a decoração”, enfatiza Kelly.

Entre os sabores para festas que não sejam de casamento, um dos principais é o chocolate. Nesse quesito, Kelly Moraes prepara os chocobem que, além do recheio, também tem o pão de ló com sabor de chocolate. “Esse é indicado para qualquer festa”, disse. Ela disponibiliza opções bem diferentes como limão siciliano e pistache, além de apostar em tamanhos variados, como três, cinco ou sete centímetros de diâmetro. “Esse último é o mais tradicional e continua como o mais pedido”, conta.

A doceira Cilene Martins também aposta na variedade de sabores para agradar o paladar. O tradicional bem casado de doce de leite pode ter uma calda feita no coco e ser passado no coco ralado. Ela também tem a calda de baba de moça nesse doce.

Outras opções que estão entre os mais pedidos para Cilene é o bem casado com recheio de pasta de amendoim ou o feito com nutella, esse último um dos mais pedidos entre os aniversários de 15 anos. “A receita, em geral, é a mesma para todos, só muda o recheio”, disse. A dica de Cilene é escolher apenas um sabor por festa. “Se optar por mais de um sabor é preciso ter mais de um ‘bem’ para cada convidado”, opina.

 

É barato!

De acordo com a doceira Carla Dias, essa tradição chegou ao Brasil há mais de 100 anos. “O bem casado representa duas partes que se unem e são selados pela cumplicidade e respeito mútuo. É distribuído para dar sorte aos noivos. Essa lenda pode acompanhar o doce para que todos saibam o seu significado”, sugere.

Além do sabor, Cilene reforça que o doce conquistou outras festas porque também é uma opção de lembrança mais barata, que custa entre R$ 4 e R$12, dependendo do tamanho e embalagem. “Além de ser mais em conta, o bem casado é uma opção que agrada muita gente, pessoas de qualquer idade, desde crianças aos adultos”, disse. “O que é regra mesmo é ele ser distribuído ao final da festa e apenas um por convidado”, completa a doceira que está há 42 anos no mercado.

 

*Lídia Ferreira é jornalista, repórter do BV e blogueira do #lidica

 

 


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.