Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020

Cobogós: elementos vazados favorecem a luz natural e a divisão dos ambientes da casa


02/10/2017 às 13:40

Rosiel Mendonça
rosiel@acritica.com

Invenção genuinamente brasileira, os cobogós são sinônimos de charme e funcionalidade quando bem aplicados na arquitetura e no design de interiores. Além de permitirem um melhor aproveitamento da iluminação natural, o que se reflete na economia de energia, esses elementos vazados facilitam a ventilação e dão um toque mais estético aos espaços.

A arquiteta Fernanda Vitale, do escritório D81, explica que o cobogó é um ícone da arquitetura modernista brasileira: “Ele é um ótimo recurso para a nossa abundante incidência solar porque cria uma espécie de filtro entre o Sol e os ambientes”.  Segundo ela, essas peças caem bem tanto em áreas internas quanto externas, como as fachadas. E não existe regra para uso de cor– tudo depende do conceito definido para o espaço, se mais neutro ou divertido.

“Além do efeito estético, o cobogó pode ser usadoquando o objetivo for demarcar os espaços de forma sutil, sempre permitindo uma delicada integração acústica e de luz entre dois ambientes”, completa Fernanda. “Essa é uma solução quase poética de divisória. A entrada sutil da iluminação cria um efeito lindo de luz e sombras, e cada modelo de cobogó vai resultar num tipo único de sombreamento”.

A designer e artista plástica Ana Paula Castro também destaca essa função dos elementos vazados: “Eles podem ser de concreto, argila, cerâmica... Vão do mais barato ao mais sofisticado. É um material que deve ser usado em qualquer ambiente. O de madeira é ideal para ambientes internos, porque divide sem separar, sem fechar totalmente. Grandes espaços parcialmente divididos, como sala e cozinha, são uma tendência hoje em dia”.

A profissional capixaba é fascinada por cobogós, tanto que fez uma releitura conceitual e autoral da peça. Foi assim que nasceu a linha “Ideias Concretas”, que traz três versões de cobogós em concreto bruto e tiragem limitada: origami, raízes e listras. “Vamos lançar mais dois modelos em madeira na Casa Cor Vitória. O cobogó tradicional tem um padrão único que se repete, mas aqui propomos uma peça com continuidade, então uma vai se encaixando na outra, e no final nós temos uma espécie de painel”, explica.

Saiba mais

A palavra “cobogó” tem origem nos sobrenomes dos três engenheiros pernambucanos que idealizaram o elemento vazado no início do século 20: Coimbra, Boeckmann e Góis. A Manufatti é uma empresa especializada em fabricação e comercialização de cobogós esmaltados no mercado brasileiro. Confira mais opções no site www.manufatti.com.br.


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.