Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020

Nova meditação: com o auxílio dos apps

Cada vez mais pessoas estão colhendo os benefícios da prática. O uso de aplicativos para meditar pode ser uma alternativa na correria diária


23/05/2019 às 15:23

por LUCY RODRIGUES

Mente equilibrada, corpo saudável. Cada vez mais pessoas têm percebido e a ciência comprovado os benefícios da meditação para o bem-estar 
e a saúde física. A técnica mindfullness (atenção plena, na tradução mais apropriada) é uma das mais famosas;  resumidamente, consiste em uma série de exercícios de tradição asiática, adaptados para o Ocidente, que ensinam a ter foco no presente e não na expectativa para o futuro ou nos traumas do passado. Entre os adeptos, famosos como Oprah Winfrey, atletas de alta performance e até crianças em escolas. 

Iniciar um programa regular de mindfullness com um instrutor especializado é uma das opções mais seguras para quem busca se aprofundar na prática, mas para ajudar a manter o ritmo, algumas pessoas estão fazendo uso de aplicativos para meditar. 

Um exemplo é a empresária e estudante de medicina Rayssa Garcia, 29. Há um ano ela conheceu a meditação por meio de amigas que a indicaram para ajudar com as crises de ansiedade. “Melhorei muito depois que comecei a fazer.  Faço porque gosto de meditar, principalmente ouvindo mantras, mas também me ajuda muito quanto à ansiedade. Pratico quando posso durante o dia e à noite antes de dormir. Notei uma melhora significativa no meu modo de agir, aprendi a controlar mais minhas emoções e também a ansiedade. Já fiz curso com instrutor, mas para continuar praticando no dia a dia faço uso de aplicativos, entre eles o Reiki One e o Shanti”, afirma.

Especialista

Trainer em Mindfulness - Programa de cultivo da Compaixão pelo Instituto de Ciencias para el Florecimiento Humano do México, Dan Holanda,  do @espacopremamanaus, afirma que os aplicativos de meditação podem ser úteis e ter seus benefícios para ajudar a manter algum ritmo para quem está iniciando, mas nada supera a troca e a experiência vivencial.

“Se você tem uma turma regular onde você consegue fazer pelo menos um protocolo de oito semanas, é possível se aprofundar no conhecimento das técnicas, práticas e teorias, porque a meditação não é só sentar e meditar; você pode ter uma vida mindfullness. Nas aulas, tem as práticas que a gente chama de informais, em que várias vezes durante o dia você pode fazer meditação ativa, seja caminhando, dançando, lavando a louça... com isso, você começa a se conhecer mais e a pensar sobre o seu pensamento e isso se chama de metacognição. Isso os apps não explicam. Não tem como ter uma profundidade dessa com os aplicativos. Eles são legais para tirar uma dúvida, fazer uma prática e outra, mas não te dão a base necessária para que você tenha uma vida mindfullness, de atenção plena e saiba meditar em qualquer circunstância. Para isso é valioso fazer uma turma regular, com professor e alunos para trocar experiências”, explica.

Entre os benefícios da meditação feita de forma correta e regular, Holanda lista a redução dos sintomas de depressão e ansiedade, controle da raiva, aumento da sensação de bem-estar, autocontrole, autoconhecimento, gerenciamento da sensação de fadiga e esgotamento e aumento da capacidade de concentração e foco. “A partir das práticas meditativas que integram corpo, mente e coração, em um protocolo de oito semanas, é possível gerar uma mudança na maneira como as pessoas se relacionam com sua vida, consigo mesmas e com os outros. Pesquisas mostram que as práticas meditativas de mindfullness alteram o funcionamento do cérebro e a forma de lidar com as emoções. 


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.