Sábado, 22 de Fevereiro de 2020

Provamos! O milkshake de Ovomaltine do McDonald's


28/09/2016 às 19:47

Por Natália Caplan

Tem sensação mais incrível do que tomar aquele milkshake bem geladinho nesse calor “básico” do verão — leia-se mormaço de setembro — amazônico? E se vier com um bônus? Melhor ainda! Essa semana, a equipe do BEM VIVER foi convidada para experimentar o novo sabor da McDonald’s: Ovomaltine. Ok, confesso nunca ter sido fã e até fiquei com um pé atrás. Mas tenho uma confissão... Não é que eu gostei?!

Entretanto, não posso me reter a esse fato e esquecer uma ressalva. Sim, é gostoso. Porém, a preocupação em agradar os apaixonados por essa marca suíça resultou em um erro da franquia, que exagerou na medida. Cada copo da bebida gelada recebe pouco mais de 85 gramas do achocolatado no mix de leite, sorvete de baunilha e calda de chocolate. O primeiro gole deixa o paladar extasiado com o sabor. Depois, acaba ficando enjoativo.

Logo pensei que minha opinião poderia estar equivocada pelo fato de eu nunca ter gostado de Ovomaltine antes, seja com sorvete, num copo de leite ou em qualquer outra sobremesa — aliás, as pessoas fazem bullying comigo por causa disso. Então, recorri ao meu convidado (que prefere ficar no anonimato, mesmo sabendo que isso é quase impossível, hehe!). Fissurado em milkshake, sorvete e paletas, ele deu a seguinte crítica:

“Comparando aos outros shakes da McDonald’s, o Ovomaltine é apenas para quem realmente gosta. Acredito que, com essa mudança repentina, talvez eles ainda não tenham se adaptado na preparação. Os produtos têm uma quantidade padrão para consumo. Você não tem como pedir mais ou menos Ovomaltine. O problema que a dosagem é grande, ficando muito doce e até um pouco enjoativo”.

Te convido a 'passear'

Antes de degustarmos o Milkshake, fizemos um tour pelos bastidores da filial da McDonald’s da Djalma Batista. Se você ama organização e tecnologia, simplesmente PRE-CI-SA conhecer a cozinha da casa do “tio Ronald”. O passeio faz parte da iniciativa “Portas Abertas” da rede, que já recebeu mais de 2 milhões (!!!) de consumidores em toda a América Latina. Então, coloque a toucazinha no cabelo de divirta-se!

Todos os produtos são padronizados, fornecidos por distribuidores de São Paulo e têm um tempo de vida. Alguns podem ficar apenas alguns minutos à espera de uma chance de rechear um sanduíche antes do descarte. A qualidade é tão essencial, que o gelo é constantemente TES-TA-DO em laboratório. A linha de produção é de dar inveja a qualquer fábrica do Polo Industrial de Manaus (PIM). Quem tem Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) — eeeeeu! — fica encantado com todo o processo.

Fome maior que tudo

Também provamos sanduíches (comemos antes de pensar em fotos) e, após um tempo sem comer o McCheddar (não resisto àquela cebola com shoyu), posso dizer que o sabor e a qualidade são exatamente os mesmos desde quando experimentei pela primeira vez. Meu acompanhante também curtiu o McQuarteirão e elogiou a padronização da franquia: “Fazia tempo que eu não comia os sanduíches da McDonald’s e o gosto continua o mesmo. A vantagem é que se você comer em São Paulo, Rio de Janeiro ou Manaus, o gosto sempre vai ser o mesmo. Então, acredito que as pessoas terão a mesma opinião dos milkshakes e sorvete no restante do País, pois o gosto não muda”.


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.