Publicidade
Blogs

Sem aperto: Saiba como evitar a infecção urinária no calor

Médico urologista Vinícius Suzano aponta as causas da doença, formas de prevenir e a relação dela com as altas temperaturas 25/12/2017 às 17:34
Show vida0624 002f
Ficar muito tempo sem urinar é uma das principais causas da infecção causada por bactérias no trato urinário (Foto: Divulgação)

Por Juan Gabriel

Com o verão predominante em boa parte do país nesta época do ano, as praias costumam ser o destino preferido de quem consegue aproveitar o tempo livre que os meses de dezembro e janeiro oferecem. Durante os encantos da vida praiana, alguns alertas devem estar em dia para evitar com que problemas de saúde, em especial a infecção urinária, transformem o cenário paradisíaco em um leito hospitalar. Isso por que o clima quente e a umidade das roupas molhadas são facilitadores para o surgimento e proliferação de germes na via urinária, aumentando a incidência da doença.

A infecção urinária, ou Infecção do Trato Urinário (ITU), é um quadro infeccioso que pode se manifestar em diferentes partes do sistema urinário como rins, ureteres, uretra e bexiga, sendo mais comum nos dois últimos. Sua causa está relacionada a bactérias que se desenvolvem na região e alguns fatores, como prender a urina por muito tempo ou a falta de higiene íntima, acabam facilitando com que as bactérias se desenvolvam.

“Não fazer a higiene correta das partes íntimas, ‘segurar’ o xixi por muito tempo, beber menos de dois litros de água por dia, usar absorventes por muito tempo, ter pedras no ruins, usar roupas intimas apertadas e até ter uma vida sexual ativa são fatores que podem levar a infecção urinária”, diz o médico urologista Vinicius Suzano.

Mas por que os casos da doença aumentam no calor do verão? Segundo o urologista, isto está atrelado principalmente à perda de líquidos devido às altas temperaturas da estação. “O calor faz com que a perda de líquidos pela transpiração seja maior e as pessoas urinam em menor quantidade e menos vezes ao dia, o que favorece a multiplicação de bactérias no interior da bexiga”, explica o médico.

A prevenção nesse tipo de caso é o aumento da ingestão de líquidos. De acordo com Suzano, o próprio fluxo da urina funciona como um dos mais importantes mecanismos de proteção contra a infecção. No geral, medidas como manter uma alimentação saudável (evitando a constipação e diarréia), manter a higiene em dia, urinar frequentemente mesmo sem vontade e principalmente depois do ato sexual ajudam a prevenir a doença.

Sintomas e tratamentos

A infecção urinária pode se manifestar de diferentes formas. Suzano aponta que os principais sintomas da doença são dores ou ardência ao urinar, dores pélvicas, dores no reto. Além disso, o médico destaca que prestar atenção na urina é importante na hora de detectar a infecção.

“Urina escura, com sangue ou com cheiro muito forte são indicativos da doença. Outros sintomas são a necessidade de urinar o tempo todo, o aumento na frequência das micções (ato de expelir urina, voluntariamente ou não) e a incontinência urinária (perda involuntária de urina)”, aponta Suzano.

O tratamento da doença é simples e costuma ser efetivo a curto prazo nos casos mais comuns, sendo possível identificar o tipo de infecção através da coleta de urina. Em boa parte das situações é indicado o uso de antibióticos para o combate a infecção. “Quando a dor é um sintoma muito intenso, os analgésicos ajudam a aliviar a dor. Em geral os sintomas desaparecem poucos dias após o inicio do tratamento”, diz o urologista.