Quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2020

Steven Spielberg, 70 anos: os 9 filmes escolhidos pela equipe do BV

Qual filme do diretor marcou a sua vida? Veja aqueles que são inesquecíveis para nós do Bem Viver


19/12/2016 às 18:10

No último domingo, dia 18, o cineasta Steven Spielberg completou com 70 anos e o clichê “o aniversário é dele, mas o presente é nosso” vale a pena ser usado aqui, afinal, difícil alguém não ter um dos longas dele no “top 10 filmes da minha vida”.

Do terror ao infantil, o diretor americano dedicou 54 anos dos seus “setentinha”  às produções audiovisuais – são mais de 120 filmes e séries. Vencedor de quatro Oscars e três  Globos de Ouro  , ele bateu o recorde de indicações ao Melhor Filme em 2016, um total de nove.

E qual o seu filme preferido dele? Entre nós, da equipe do Bem Viver, a escolha não foi muito fácil não, mas listamos alguns dos preferidos de cada. Liga a Netflix e vamos ver novamente!

"Encurralado"
Por Jony Clay Borges

Logo no começo da carreira, Spielberg enveredou pelo suspense nesse filme em que um motorista (Dennis Weaver) dirigindo pelas estradas da Califórnia começa a ser perseguido por um caminhão gigantesco. Filmado em apenas 13 dias, o longa feito para a televisão foi uma amostra do domínio da linguagem do cinema pelo diretor, que produziu um interessante thriller a partir de um argumento simples e poucos recursos.

"E.T.-O Extraterrestre"
Por Lucy Rodrigues

Já perdi as contas de quantos filmes do Spielberg já assisti, mas para mim E.T. tem um significado todo especial.  Algumas das melhores memórias da minha infância remontam esse filme, que estreou em 1982 com uma das maiores bilheterias da história do cinema.  Assisti pela primeira vez em casa, com meus irmãos e lembro de sorrir, me surpreender e chorar junto com o menino Elliot, de 10 anos, que faz amizade com o pequeno alienígena perdido na Terra e move mundos e fundos para protegê-lo e evitar que ele seja capturado e transformado em cobaia pelo serviço secreto americano.  Depois, todos os anos, quando passava na TV na época de Natal, assistia novamente junto com meus primos e primas, na televisão da casa da minha vó. Era uma bagunça! Entre as imagens inesquecíveis, as silhuetas das bicicletas na lua e uma Drew Barrymorre muito fofinha! Essa linda história de uma ficção muito plausível me ensinou muitos valores como lealdade, companheirismo e amar a “minha casa”.

  

“A Lista de Schindler”
 Por Natália Caplan 

Por ser judia de sangue, “A Lista de Schindler” (1993) é muito especial para mim. O filme conta a história de Oskar Schindler, um empresário alemão que salvou a vida de mais de mil judeus durante o Holocausto. O detalhe do casaco vermelho da menininha, em meio à fotografia preta e branca, chamou minha atenção desde a primeira vez. Ainda criança e, mesmo sem ter entendimento, eu me vi embaixo daquela cama, tão assustada quanto ela. Hoje, 24 anos depois, ainda me dói pensar que meus antepassados (familiares em campos de concentração) estavam entre os milhões de mortos. Dirigido por Steven Spielberg, o longa recebeu sete Oscars, incluindo Melhor Filme e Melhor Diretor. É um clássico que retrata uma parte da história de maneira única e impecável, com grande sensibilidade e nos faz refletir sobre ter empatia.

"Guerra dos Mundos"
 Por Alexandre Pequeno

Meu filme favorito dirigido por Steven Spielberg é "Guerra dos Mundos", de 2005. Assisti ao filme numa sessão despretensiosa à noite, vi uma chamada, achei interessante e resolvi acompanhar e acabei me envolvendo com a trama, personagens. Adoro filme-catástrofe, e este é um dos meu preferidos. Pesquisando mais sobre, acabei vendo depois que o filme é uma adaptação de um dos primeiros - senão o primeiro -, livros sobre invasão alienígena da história. O romance de H. G. Wells é uma referência no gênero e inspirou muitos outros que vieram posteriormente.

"Hook - A Volta do Capitão Gancho”
Por Rosiel Mendonça

Sem dúvida, “Hook - A Volta do Capitão Gancho” (1991) é um dos filmes que marcaram minha infância. Lembro que “Peter Pan é meu paaaaai?” e “Eu acredito em você, Peter” foram alguns dos diálogos que se tornaram comuns nas brincadeiras em casa. Ficava vidrado nos detalhes da ambientação de uma Terra do Nunca meio caótica e rococó, tanto que o filme ganhou indicações ao Oscar pela direção de arte, maquiagem e figurino. Sem falar nas atuações brilhantes e inesquecíveis de Dustin Hoffman e Robin Williams (sempre achei os vilões mais interessantes, apesar de nunca torcer pra eles). Bateu até uma emoçãozinha quando encontrei, dia desses, um DVD comemorativo à venda nas Americanas - tive que levar pra casa!

"A Cor Púrpura"
Por Laynna Feitoza

Eu sempre fui apaixonada por dramas que se aproximassem da realidade, e acho que por conta disso, no que diz respeito aos filmes, sempre tive uma resistência maior àqueles que eram mais "ficcionais", por assim dizer. "A Cor Púrpura" (1986), é um prato cheio para o entendimento do quão grande pode ser o amor entre familiares, e na mesma proporção, o quanto essas relações podem ser perturbadoras. Na história da personagem Celie (Whoopi Goldberg), ela é abusada pelo pai, praticamente é vendida como escrava sexual para um homem que a "toma por esposa", e, em decorrência disso, se afasta do grande amor de sua vida, sua irmã. A cena das duas irmãs sendo separadas à força, enquanto fazem a brincadeira entre as mãos que sempre faziam, é uma navalhada na alma. Pleno para quem gosta de ver elos legítimos entre os seres humanos, em eterna busca um pelo outro, visando encontrar alguém cujo laço é indestrutível.

  

“Indiana Jones e Os Caçadores da Arca Perdida”
Por Lídia Ferreira

Não sou nada fã de filmes de ação, por isso mesmo este é tão marcante para mim. Na infância, o herói estrelado por Harrison Ford me prendeu pela a aventura e cenas angustiantes – a primeira vez que “andei” em um tobogã na minha vida só lembrava desse longa! Anos mais tarde, para acompanhar a trilogia, revi algumas vezes e ficava encantada com o roteiro: um arqueólogo contra um grupo de Nazistas em busca de uma Arca. Ele era "o cara", manjava de idiomas que a gente nunca tinha ouvido falar, dos mistérios da natureza, tinha sempre uma ideia brilhante para escapar dos inimigos.História, ciência e fantansia nos diálogos, além de muita adrenalina nas cenas, fruto também da parceria com George Lucas. Como não amar?

"Prenda-me se for capaz"
Por Juan Gabriel 

Baseado na história real de Frank Abgnale Jr, um dos maiores falsificadores da história dos Estados Unidos, Prenda-me Se For Capaz é o tipo de filme onde a gente torce mais pro “vilão” do que pro mocinho. Com uma história super envolvente, Spielberg sabe explorar e conduzir bem cada passo do protagonista nos inúmeros golpes em que ele aplica ao longo da trama. Além disso, um elenco de peso com Leonardo Di Caprio em uma de suas melhores atuações na pele de Frank e Tom Hanks, encarnando Carl Hanratty, um agente da FBI que tem a missão de capturar o charlatão, dão um toque a mais no longa. Vale a pena conferir.

"Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros"
Por Artur César

Assisti ao primeiro "Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros" cinco vezes no cinema. Fiquei fascinado pelo mundo recriado por Steven Spielberg  e Cia. Esse filme me marcou demais e fez eu virar um fã da série - apesar de achar os filmes seguintes mais fracos. O primeiro, com certeza, está no topo da minha lista.  


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.