Quarta-feira, 03 de Junho de 2020

Do mato ao prato: jardim comestível é PANC

As PANC sempre estiveram aí, pra todo mundo ver e comer, tanto é que nossos ancestrais as utilizavam nos preparos culinários do dia-a-dia, em uma época que não se encontrava facilmente verduras e legumes nas prateleiras dos mercados


29/04/2020 às 17:59

Caruru, tanchagem, azedinha, serralha, dente-de-leão, beldroega, caapeba, pimenta-de-macaco, gervão; são plantas que nascem de forma espontânea Brasil afora, consideradas por muitos como mato, erva daninha, planta invasora. Entretanto, elas fazem parte do time das plantas alimentícias não convencionais (PANC), cada vez mais comentadas entre os chefs de cozinha, botânicos, paisagistas, jardinistas e agricultores da nova geração.

Mas antes de prosseguir com esse texto, quero revelar algo que me deixou muito impressionada: 90% do alimento mundial gira em torno de apenas 20 gêneros botânicos, sendo que, muitas variedades destes gêneros não são mais cultivadas em larga escala pela agricultura convencional. Isso explica o motivo pelo qual a nossa alimentação é tão monótona, e explica também o porquê quando viajamos para países diferentes, com culturas distintas, ainda assim acabamos comendo sempre as mesmas coisas – é a tal da culinária internacional. A boa notícia é que no Brasil, onde tem a maior biodiversidade do planeta, pesquisas apontam que existam cerca de 3.000 espécies de plantas com potencial alimentício, e que ainda são desconhecidas pela população.

A verdade é que as PANC sempre estiveram aí, pra todo mundo ver e comer, tanto é que nossos ancestrais as utilizavam nos preparos culinários do dia-a-dia, em uma época que não se encontrava facilmente verduras e legumes nas prateleiras dos mercados; em tempos em que as verduras e vegetais não se resumiam em alface, rúcula, batata e cenoura. Abaixo, vamos detalhar um pouco sobre o universo dessas plantas tão rústicas e resistentes.

O que são as PANC

São plantas com potencial alimentício, desconhecidas pela maioria da população, ou conhecidas apenas na região onde elas crescem espontâneas. Elas têm alto valor nutricional e medicinal: proteínas, cálcio, vitaminas, fibras e sais minerais - o que contribui para a diversificação dos nutrientes na nossa alimentação tão restrita a poucas variedades. As partes não convencionais de plantas convencionais também são denominadas PANC, como por exemplo, a folha da cenoura, da beterraba, do rabanete, que podem ser incorporadas em farofas, sopas, omeletes, refogados etc. Consumir as partes alimentícias não convencionais das plantas convencionais (rizomas, talos, folhas e flores), significa, utilizar a parte integral dos alimentos, evitando desperdício e reduzindo o lixo gerado na cozinha.

Onde encontrá-las

Elas estão por toda parte - nascem nas frestas das calçadas, nos quintais, hortas, pomares, bordas de matas, beira de estradas, terrenos agrícolas e terrenos baldios. Converse com a sua mãe ou avó, que provavelmente elas vão te mostrar um monte dessas plantinhas crescendo no quintal, afinal, as PANC são sinônimo também da nossa ancestralidade, pois ajudam a contar como era alimentação e estilo de vida dos nossos antepassados.

Outra forma de ter contato com as PANC, é indo à feira onde trabalham os agricultores familiares. O pequeno agricultor costuma cultivar essas plantas para consumo próprio e para comercialização, e o mais legal, ao conversar com eles, você ainda vai sair com uma boa receita para testar em casa no almoço de domingo. Consulte pela internet, as feiras agroecológicas que existem na sua cidade e desvende o universo das PANC indo à feira!

Acima: Umbigo da bananeira

 

Pesquise, leia, informe-se

Se você deseja virar um caçador de PANC, faça isso com responsabilidade. Estude, pesquise, converse com quem já consome essas plantas, troque receitas, vá à feira, faça um curso, leia artigos sobre o tema, se envolva na manutenção das hortas comunitárias, pesquise em fontes seguras de pessoas especializadas no assunto. Nunca coma uma planta sem ter certeza se é realmente comestível, e se aquela parte comestível pode ser consumida crua ou cozida - muitas partes comestíveis das PANC, devem ser consumidas apenas cozidas, devido às toxinas presentes nas plantas.

No Brasil existem ainda poucos trabalhos científicos ou de divulgação sobre as PANC. O primeiro guia de identificação para quem deseja se familiarizar e pesquisar sobre o assunto é o livro Plantas Alimentícias Não Convencionais, do botânico Valdely Kinupp. Nesta obra, você encontra mais de 350 plantas alimentícias não convencionais, contendo os nomes populares, científicos, métodos de identificação, partes comestíveis e três receitas de cada variedade apresentada. No final deste texto, deixarei outras fontes confiáveis para pesquisa.

Acima: Cosmo é bastante comum (e sua flor é comestível!)

 

PANC e seu potencial no paisagismo

As PANC podem ser nativas ou exóticas, espontâneas ou cultivadas em jardins. Entre tantas variedades, existem muitas com grande potencial no paisagismo; forrações, herbáceas, arbustivas, frutíferas, palmeiras e árvores frondosas de grande porte. Imagine então, um jardim biodiverso, lindo, com várias plantas comestíveis ali cultivadas, e várias outras nascendo espontâneas, e todas vivendo em harmonia – esse é o conceito de jardim biodiverso.

Em um jardim biodiverso, as plantas nativas são essenciais para o equilíbrio da ave fauna e do ecossistema como um todo. E deixo aqui algumas sugestões de PANC para o jardim (nativas e exóticas). Hibiscos, bertalhas, gengibres, taiobas, cana-do-brejo, ora-pro-nóbis, costela-de-adão, amor-perfeito, begônias, lírios amarelos, onze-horas, capuchinha, e não podemos esquecer das frutíferas nativas. A horta pode ser uma mistura boa de plantas convencionais e não-convencionais. Ah... e não esqueça de permitir que a natureza se manifeste, sem querer controlar cada folha que cai no jardim. Tenho certeza de que boas surpresas vão se manifestar e a verdadeira vocação do seu jardim, aparecer – inclusive várias plantinhas comestíveis com sabores e cores surpreendentes.

Guia de identificação das PANC

Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. Autores: Valdely Ferreira Kinupp e Harri Lorenzi

Sites

matosdecomer.com.br

come-se.blogspot.com

matonoprato.com.br

Instagram

@valdelykinupp

@irany.arteche

@matosdecomer

@matonoprato

@neiderigo

@jardimdamarilua

 

Um forte abraço!

Marilua


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.