Quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2020

BRA X USA! A experiência do primeiro filho em outro país e longe da família


24/10/2016 às 18:33

Por Karlla Marinho

 

Olá pessoal!

Se ter um filho no País que você nasceu, com a família do casal dando todo apoio já não é fácil, imagina casar com um estrangeiro, morar em outro país, com outra língua e cultura e ter um filho sem a família por perto?

Com toda a certeza esses desafios são para as mais fortes (rsssssssss)

Hoje quero compartilhar com vocês uma linda história de amor de uma grande amiga de infância que há 8 anos mora nos Estados Unidos. A Priscila Teles Carson é casada com o Matt ha quase 6 anos e eles são pais da Julia, de 4 anos, e agora ”grávidos” de 8meses, eles esperam o Benjamin.

Eu pedi para ela compartilhar aqui no blog um pouco das dificuldades e vitórias da experiência de enfrentar uma gravidez “longe de casa” ainda mais em um país que super valoriza o parto humanizado “normal”. Se você está passando por uma situação semelhante e está cheia de dúvidas, ou mesmo se está apenas curiosa, então confere a entrevista.

 

MC - Quando você teve certeza que seu futuro seria nos Estados Unidos passou pela sua cabeça como seria uma gestação longe da família, ou mesmo o tipo de parto, já que você mora em um país onde o parto “normal” é super valorizado, ou essas preocupações só apareceram depois que você descobriu que estava grávida?

 

Priscila Carson  - Eu acredito que os medos de uma vida distante da familia e do seu próprio país moram dentro de você e sempre aparecem nos feriados, nas festas de fim de ano, ou até mesmo em uma apresentação da Ju na escola. Quando decidimos ter filhos, nós sabíamos que teríamos momentos difíceis por não ter a família por perto, mas mesmo assim não queríamos que esse medo nos impedisse de tentar.

Só lembrei que tinha que pensar no tipo de parto depois que já estava grávida (hahaha) e aí, já era tarde demais.

No começo, fiquei com medo do parto normal, mas aqui a cultura é todalmente a favor desse parto e todas as minhas amigas já tinham passado por isso. Comecei a estudar e a entender que a recuperação desse tipo de parto era bem mais rápida e era disso que precisava, afinal sem a família por perto, sem empregada e morando em uma casa de dois andares, eu sabia que precisava me levantar da cama e cuidar de tudo o mais rápido possível. Também não tinha muita opção mesmo pois os médicos daqui não falam muito sobre a cesariana. O que você ainda pode escolher é tomar anestesia, apesar de que hoje em dia muitas mulheres preferem o parto “Drug Free” ou seja, sem nenhuma anestesia ou remédios.

Enfim, o parto da Ju foi tranquilo, a recuperação rápida e também perdi todo o peso bem rápido.  

 

MC - Como você lidou com as dúvidas que toda gestante possui? Só o acompanhamento médico resolviam, ou você teve apoio de uma amiga ou mesmo da família que estava distante?

 

Priscila Carson  - O meu marido super ajudou, ele comprou vários livros sobre gravidez e uma das minhas amigas (brasileira) ficou grávida na mesma época, então, foi bem tranquilo, mas é claro que mesmo assim você fica com dúvidas e insegura pois se trata de uma experiência nova.

 

MC - E como você lidou com a nova fase, o momento de pisar no freio na vida profissional para ficar em casa e ser mãe em tempo integral?

            Priscila Carson  - Essa foi uma decisão tomada em conjunto com o meu marido. Decidimos que seria melhor eu ficar em casa pra educar e apoiar as crianças em tudo que fosse preciso.

 

 

MC - Outro país, língua e cultura. Você usa alguma estratégia com a Júlia para que ela aprenda a língua e a cultura do Brasil?. Como você estreita os laços entre ela e os avós, tios, etc.?

 

Priscila Carson  - Hoje em dia com a internet as coisas ficaram mais fáceis. Para se comunicar com a família no Brasil usamos fotos, vídeos e áudios, e tento entrar contato com amigas brasileiras sempre que possível. Nós também escolhemos igrejas frequentadas por famílias brasileiras e assim vamos tentando manter o contato com a cultura e a língua.

 

MC - Depois de três anos, mais um presentão está a caminho. Teve planejamento para o Benjamin ou foi uma linda surpresa?

 

Priscila Carson  - Eu sempre soube que só ficaria grávida depois de orar, planejar e esperar em Deus. Os dois filhos, tanto a Ju quanto o Bem, são frutos de muito planejamento e oração.

 

MC - Como está sendo preparo? Você acredita que vai ser mais fácil, ou por ser um menino será tudo novo?

 

Priscila Carson  - A Gravidez do Benjamin estava sendo bem mais fácil, mas agora no oitavo mês, os médicos me colocaram em repouso absoluto pois estava tendo contrações, mas fora isso, tudo está tranquilo. Eu acredito que criar um filho deve ser diferente de criar uma filha, com certeza, mas vamos ter que ir aprendendo aos poucos, com ajuda de Deus é claro.

 

Essa é mais uma prova de que as dificuldades podem ser vencidas e o novo pode ser maravilhoso. Todos nós temos medos e inseguranças, mas é bom saber que todos nós podemos conquistar a vitória. Eu realmente espero que a história da Pri sirva de incentivo e motivação para você que vive uma experiência semelhante.

 Um grande beijo para você e até uma próxima oportunidade.

Se você quer conferir o post completo acesse o BLOG


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.