Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2020

Por favor, não cantem: “Com quem será que minha filha (o) vai casar”.

Até acho a música bonitinha, só não entendo porque são cantadas em aniversários de crianças tão pequenas, que ainda nem saíram das fraldas.


25/07/2016 às 08:13
Desde que me tornei mãe tenho frequentado muitas festinhas infantis e confesso que a diferença entre as festinhas atuais e de antigamente, são gritantes. Primeiro, a proporção que elas tomaram (cada vez mais ostentativas); segundo, as músicas que vão de Anitta a MC Biel (ahhh como sinto falta do Balão Mágico e do Trem da Alegria); mas sinceramente o que mais me incomoda é a canção posterior aos parabéns, o famoso, “Com quem será que a/o fulano (a) vai casar”. Aqui em casa a resposta é: vai depender se a mãe deles vai querer (risos). Até entendo, quando isso acontece em festas de pré adolescentes, acho até bonitinho, mas no aniversário de crianças de 1, 2, 3, 4, 5, 6...não dá! Sabe por quê? Porque ainda não estão na idade de pensar em namoro, muito menos em casar, porque precisam ser incentivados a brincar e estudar, porque prefiro que antes de casar sejam independentes, lindos e bem resolvidos. Não sou uma puritana, acho sim que eles têm que namorar muito, beijar muito, casar com uma pessoa incrível (ficarei na torcida e rezo para isso), serem pais (quero muito ser avó), mas tudo na devida hora. Ah, tem outra coisa que detesto: quando dizem que eles têm namoradinho ou namoradinha, na escola ou no conjunto, solto um sorriso tão amarelo que chega a incomodar. Sei que é uma tradição, só não gosto, não quer dizer que não possam fazer#ficaadica Por Mayana Tomaz

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.