Publicidade
Blogs

Você Precisa de Alguém (Que lhe Dê Segurança) 2

Crônicas de Domingo - 02 de Setembro de 2018 02/09/2018 às 00:00 - Atualizado em 02/09/2018 às 06:39
Show t nel do tempo 41dc60af eef2 4d19 a2fb 1b5086e5c2e0

Passo a semana buscando inspiração para a nossa conversa de domingo, caro leitor. Algumas vezes ela brota, em outras ela precisa ser arrancado. Nessas semanas mais recentes, a dificuldade aumentou, justamente pelo período pré-eleitoral. Parece que ficamos chovendo no molhado, ou então que estamos com preguiça, repercutindo sempre os mesmos velhos assuntos.

Resolvi então rever alguns textos antigos e avaliar as mudanças de cenários. Quem sabe esse não seria um bom tema? Acabei me deparando com o texto que transcrevo abaixo, publicado há exatos quatro anos – setembro de 2014. Achei tão incrível que resolvi reproduzi-lo. As conclusões? Ah, essas eu vou deixar por conta de vocês! #Pensa

 

No último domingo, três ônibus foram incendiados na Região Metropolitana de Florianópolis. Ao todo, dez incidentes foram registrados em 48 horas, com ataques a coletivos e postos policiais. E o estado catarinense já foi palco de outras ondas de violência semelhantes a esta, em novembro de 2012 e fevereiro de 2013.

A cidade de São Luís do Maranhão registrou 17 ataques a ônibus, micro-ônibus, viaturas da polícia e carros particulares entre os dias 20 e 22 de setembro. A capital maranhense também vem de um longo histórico de confronto entre o crime organizado e o aparelho de Estado.

Há menos de uma semana, dois diretores de uma das unidades do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, naquela capital, foram afastados do cargo. Segundo um dos presos, eles teriam oferecido proposta para a gravação de um vídeo acusando o candidato de oposição, líder das pesquisas de intenção de votos para o cargo de governador, de ter participado de um roubo.

No Amapá, houve um pedido de exoneração coletiva de 20 dos 53 delegados da Polícia Civil no estado, enquanto outros 45 firmaram compromisso de não aceitar qualquer eventual nomeação para os substituírem. A reivindicação é por melhores condições de trabalho. Alguns os acusam de fazer parte de uma manobra orquestrada por uma candidata a deputada.

De norte a sul do País, a segurança pública parece ser a principal pauta das eleições, que acontecem em cinco dias. Por aqui, não tem sido diferente. Como se não bastasse a sensação de insegurança naturalmente criada pela excessiva exposição do assunto, uma enxurrada de mensagens de texto, originárias de linhas telefônicas de outros estados, via aplicativo WhatsApp, chega em nossos celulares, noticiando assaltos, sequestros relâmpagos e outras formas de violência urbana, como se houvesse uma epidemia fora de controle.

Paralelamente às notícias de violência, um sem-número de pesquisas eleitorais, com os resultados mais diferentes possíveis, chega a cada virada de hora. Qual delas é a verdadeira? Tão difícil saber quanto identificar a real situação da segurança pública. Não resta dúvida! Estamos em eleição!”

 

Voltando a 2018, só esta semana a Justiça Eleitoral do Amazonas suspendeu a divulgação de 3 pesquisas eleitorais. #Pensa