Segunda-feira, 06 de Julho de 2020

Da Venezuela para Manaus: meu olhar desde o exílio

Neste espaço, vou lhes descrever minhas vivências, desafios e lutas em Manaus, contra as barreiras como idioma e as culturais


02/03/2020 às 17:04

Para essa jornalista venezuelana é emocionante publicar em um veiculo de imprensa brasileiro. No entanto, reconheço que a emoção vem misturada com o um pouco de terror, por várias razões. A mais importante é que estou escrevendo em português.

Outra razão é que vou incomodar a muitos brasileiros que simpatizam com a ideologia socialista, porque vou lhes contar como o povo da Venezuela, país que foi o quinto produtor de petróleo do mundo e um dos mais ricos da América Latina, está na miséria como consequência da péssima gestão do governo ditatorial e socialista que está no poder desde 1999.

Eu também vou lhes contar sobre a falta de matérias primas para a produção das indústrias, a falência de empresas pelos controles absurdos impostos pelo socialismo, o que gerou escassez de produtos básicos, desemprego, fome, mortes e mais de cinco milhões de imigrantes dos quais formo parte.

Neste espaço, vou lhes descrever minhas vivências, desafios e lutas em Manaus, contra as barreiras como idioma e as culturais, que são as de muitos estrangeiros. Ou seja, acho que essa venezuelana que me tornei residente no Brasil sem tempo determinado, vai aparecendo de coração aberto ante você.

Talvez sejam histórias da diáspora da qual formo parte ou narrativas de não ficção. Seja como for, estou feliz por ter me tornado blogueira do acrítica.com, o que considero uma grande honra.

Neste blog, você conhecerá a Dulce Rodriguez exilada, que busca uma oportunidade para progredir. A mulher que se tornou forte para enfrentar as mudanças em sua vida, mas que se sente insegura porque tudo é novo. Aquela que busca um emprego de carteira assinada, a que experimenta comidas, músicas, danças e se deixa levar, que se reinventa aprendendo na cidade dos outros, aquela que sente saudade da sua família, amigos e paisagens, assim como os demais expatriados.

A Dulce Rodriguez da família tradicional, bem de vida, com mestrado e a profissional de sucesso que ela costumava ser na Venezuela ficou para trás, para lá da fronteira, na terra com a inflação mais alta do mundo, onde todos os dias aumentam os preços.

Aqui vocês conhecerão a jornalista que fala um português com sotaque puxado. A cidadã que agradece aos manauaras seu acolhimento e ao governo brasileiro o apoio humanitário a meus irmãos venezuelanos em situação de extrema precariedade.

Infelizmente, a frustração e sensação de impotência frente à ditadura mudou a vida de muitos de nós. A Venezuela socialista tornou-se muito cruel. Eu perdi a minha qualidade de vida, tranquilidade e liberdade econômica porque o país transitava pela maior crise política, social e econômica da história.

Muitos de vocês já assistiram matérias em jornais na televisão que mostram a situação de escassez de alimentos e medicação no meu pais, as filas enormes de pessoas em supermercados e as manifestações nas ruas, tenho certeza. Parece com algumas cenas de um filme de terror de Hollywood, não é verdade? 

Eu estava vivendo em uma situação de enorme vulnerabilidade e sem perspectivas de futuro, como meus compatriotas, por isso emigrei para Manaus com duas malas e meus filhos, em um exílio voluntário que depois de dois anos e meio continua sendo difícil.

Aos poucos lhes contarei mais.


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.