Sexta-feira, 25 de Setembro de 2020
DADOS

AM tem duas regiões de saúde entre as líderes de incidência do Covid-19

Balanço do Governo Federal, levantando dados pelas regiões de saúde, servem para verificar onde devem ser concentrados os maiores esforços, segundo secretário de vigilância do MS



covid-19_boletim_saude_0409201916_9FA943E0-FFC7-4660-B8F1-C70C506F7A3B.jpg (Foto: ABr)
09/04/2020 às 19:14

Duas regiões de Saúde do Amazonas estão entre as dez de maior incidência do Coronavírus na relação de número de casos a cada 100 mil habitantes. O novo índice, divulgado hoje pelo Ministério da Saúde, também coloca o Amazonas no topo do coeficiente de mortalidade por 100 mil habitantes. O Estado tem, hoje, 899 casos confirmados da doença, com 40 mortes. 

O Amazonas é dividido em oito regiões de saúde, conforme a Agência Nacional de Saúde (ANS). As que colocam o Estado em situação de alerta por parte do Ministério da Saúde são: ‘Manaus, Entorno e Alto Rio Negro; e Rio Negro e Solimões. A primeira aparece com 28,1 casos a cada 100 mil habitante, ficando atrás apenas de Região Fortaleza (CE), com 43,9 caso a cada 100 mil habitantes, e São Paulo, com 40,4.  A Região Rio Negro e Solimões, que inclui cidades com óbitos, como Manacapuru, como aparece em sétimo lugar, com 15,4 casos a cada 100 mil habitantes.



Quando é analisado o coeficiente de mortalidade, os papéis se invertem: a região Rio Negro e Alto Solimões vai para terceira posição, com 1,3 mortes a cada 100 mil habitantes. Já a região Manaus, Entorno e Alto Rio Negro aparece na décima colocação, com 0,9 mortes a cada 100 mil habitantes. 

As incidências refletem a disponibilidade de testes para os casos mais leves, segundo o Ministério da Saúde. “Isso dá um visão melhor de onde devemos focar nossos esforços.”, explicou o secretário de Vigilância do órgão, Wanderson Oliveira. O registro do nível de mortalidade, segundo o representante do MS, vai facilitar o fornecimento de estruturas, como leitos e respiradores.

Na coletiva, Oliveira celebrou a notícia, recebida em primeira mão, de que o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) ofereceu auxílio para suprir a demanda nacional de diagnósticos rápidos e fornecer insumos para outras empresas.

O secretário pediu que o presidente do órgão entrasse em contato com o Ministério da Saúde para definir como a parceria será desenvolvida. A produção e o fornecimento devem ocorrer até o final deste mês, “porque depois vai ficar muito tarde”, ressaltou o secretário.

“Em regiões metropolitanas, não recomendamos o aumento de mobilidade social. Isso não significa que as demais devem manter o mesmo comportamento”, destacou o secretário. Conforme levantamento do ministério, foram notificados 17.857 casos e 941 mortes em decorrência do novo coronavírus.

 

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.