Segunda-feira, 25 de Maio de 2020
PRONUNCIAMENTO

Bolsonaro usa fala de diretor da OMS para anunciar medidas contra Covid-19

Segundo Bolsonaro, a missão do governo é salvar vidas, sem deixar para atrás os empregos. Presidente omitiu trecho onde Tedros Adhanom cobra ações dos governos pelos mais pobres



pronunciamento-de-bolsonaro-sobre-coronavirus-nesta-sexta-carolina-antunes-pr_46ED1E23-8F9D-45B2-90C1-74D44E178BED.jpg Foto: Divulgação/PR
31/03/2020 às 20:25

Em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, na noite desta terça-feira (31), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a usar trecho do discurso do diretor-presidente da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, para criticar as medidas de isolamento social.

No trecho usado por Bolsonaro, Tedros Adhanom reconhece que “muita gente precisa trabalhar cada dia para ganhar seu pão”. Para o presidente, isso seria uma mensagem de que os informais deveriam voltar ao trabalho. “Essa tem sido minha preocupação desde o início”, disse.



No entanto, o presidente omitiu parte do discurso onde Adhanom responsabiliza os governos pelo atendimento a essa parcela da população.

"Os governos devem levar essa população em conta. Se estamos limitando os movimentos, o que vai acontecer com essas pessoas que precisam trabalhar diariamente? Cada país deve responder a essa questão", continuou o diretor da OMS.

Mais cedo, Bolsonaro usou o mesmo trecho para insinuar que o diretor da OMS defendia o fim do isolamento para informais, mas logo foi rebatido pela organização. Na fala da noite, o presidente mudou o tom ao citar Adhanom.

O presidente reforçou a fala de Adhanom, que ressaltou que cada vida importa, e anunciou as medidas adotadas pelo Governo Federal no enfrentamento à Covid-19. Segundo Bolsonaro, a missão do governo é salvar vidas, sem deixar para atrás os empregos.

Entre as medidas anunciadas está a aquisição de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) já com respiradores, Equipamentos de Proteção Individual (EPI), kits de testes para Covid-19 e outros insumos hospitalares.

Além disso, o presidente citou o auxílio de R$ 600 a informais, o acréscimo de mais de 1 milhão de famílias no programa Bolsa Família, o adiamento no pagamento de dívidas dos estados e a criação de uma linha de crédito para pequenas e médias empresas.

Bolsonaro também usou o pronunciamento para reconhecer a gravidade do vírus. Anteriormente, o presidente chegou a chamar o coronavírus de “gripezinha” e “resfriadinho”.

"O vírus é uma realidade. O coronavírus veio, mas um dia irá embora", declarou.

Por último, Bolsonaro agradeceu os esforços de profissionais da saúde, segurança e outros serviços considerados essenciais.

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.