Terça-feira, 26 de Maio de 2020
PREVENÇÃO

Costureira produz máscaras personalizadas em tempos de coronavírus

Ministro da saúde recomendou o uso de máscaras caseiras de pano para evitar o esgotamento dos equipamentos para profissionais da saúde



WhatsApp_Image_2020-03-23_at_14.57.24_2443EDB8-8C6C-4F9E-A94B-9EE3FB99CDDB.jpeg Foto: Divulgação
23/03/2020 às 15:45

Após pronunciamento do ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, aconselhando a população a usar máscaras de pano caseiras, a costureira Nelly Silva de Castro, 42, voltou o negócio de máscaras de proteção personalizadas ao público à procura de prevenção contra o contágio da Covid-19. 

Sucesso com o público feminino, as estampas vão desde cores neutras até figuras de bichinhos e personagens famosos, como Mickey, Minnie e Magali. 



Opção pela prevenção 

Mandetta, em coletiva realizada no dia 19 de março, aconselhou a população a utilizar máscaras de pano caseiras, para impedir o esgotamento do produto industrializado  a enfermeiros e médicos. 

Nelly, que possui um ateliê de costura criativa há três anos, já produzia as máscaras alternativas para os profissionais da área de beleza, como maquiadores e cabeleireiros. 

Em um primeiro momento, a profissional hesitou em voltar as vendas ao público geral. “Eu não queria lucrar com a crise, mas as pessoas começaram a ligar, pedindo pelo produto. Depois do pronunciamento do ministro, resolvi abrir as vendas a esse público”, disse. 

O perfil da clientela é formado por jovens, além de mulheres que compram kits não apenas para si, mas para toda a família.  A costureira afirmou que o público feminino sente vontade de comprar as máscaras motivado não apenas pelas precauções de saúde, mas também pelo diferencial estético do produto.

Mudanças no dia a dia 

Depois da proliferação da Covid-19, as encomendas da profissional explodiram. “Antes, eu vendia de dois a três kits por mês. Agora, eu chego ao número de 200 máscaras para entrega”, contou. 

A costureira disse que a crise não mudou os hábitos de trabalho dela, em decorrência do fato de que a profissional já estava acostumada a trabalhar dentro do ateliê, sem sair muito à rua. “O que mudou foi o fato de que os clientes pararam de vir diretamente pra cá”, relatou. 

Nelly teve de contratar um “motoboy” para realizar a entrega das máscaras em domicílio. “Quando os clientes optam por vir até aqui, eu peço para que eles não entrem na loja, de forma que eu vá entregar os kits diretamente a eles, sem muito contato”. 

Como precaução adicional, a profissional também optou por pedir aos clientes que não utilizem dinheiro em espécie ou cartão, como forma de pagamento, optando pelo depósito. “O cartão exige o contato físico das pessoas com a máquina, e o dinheiro já é contaminado em si, então a maior parte das pessoas opta por realizar o depósito na minha conta bancária”, disse. 

As estampas de maior sucesso são as que levam a cara de personagens de histórias famosas, como Mickey e Magali. “Ultimamente, venho recebendo demanda de um público masculino com gosto por estampas mais neutras, mas a maioria é bem colorida”, afirmou a costureira. 

Nelly conta com um profissional responsável pelo corte e montagem do tecido de tricolone, enquanto que ela cuida do manuseio da máquina de costura. 

Os pedidos podem ser feitos pelo WhatsApp da costureira, de número: 8121-5798. Os produtos podem ser conferidos na conta de Instagram do ateliê: @coisasdanelly.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.