Quinta-feira, 04 de Junho de 2020
Efeitos Colaterais

Covid-19 esvazia ruas e estabelecimentos do Centro de Manaus

Área comercial de Manaus sofre queda nas vendas depois de risco do novo coronavírus afugentar clientes



portal_F1D1485E-7B3A-49C2-8532-1E2039A791C3.JPG Devido risco do Covid-19, consumidores estão mais isolados em casa. Fotos Euzivaldo Queiroz
20/03/2020 às 06:00

A movimentação de consumidores no Centro de Manaus tem diminuído consideravelmente devido ao risco de transmissão do novo coronavírus (Covid-19). As principais avenidas da área comercial como Eduardo Ribeiro e Marechal Deodoro, mais conhecido como “bate-palma”, mostram apenas o esforço de comerciantes que mesmo de máscara e abastecidos com álcool em gel fazem de tudo para chamar a atenção de qualquer transeunte que passe pelas vias.

“A venda já estava complicada. E como sabemos, o Brasil só volta à normalidade depois do Carnaval e até eu achei que ia melhorar, porém com o desespero do mundo por conta do vírus, a venda caiu de 80% a 100%”, comentou a gerente comercial de uma loja de roupas, Socorro Oliveira, de 52 anos.



A expectativa, segundo a gerente, é de que as coisas melhorem apesar da queda nas vendas dos produtos. “O que nós esperamos é que o Governo Federal tome alguma atitude porque a ponta do iceberg cai para o lado mais fraco que é a do trabalhador”, comentou.

Na loja de calçados em que trabalha o supervisor de vendas, Daniel Araújo, 30, afirmou que um esquema de trabalho foi reformulado em atenção à saúde e ao baixo volume de clientes. “O nosso movimento está bem fraco e esse surto da epidemia tem afetado o mercado”, comentou. “Durante o tempo que tenho trabalhado no comércio é a primeira vez que vejo as vendas caírem tanto, porque não entra cliente na loja”, acrescentou.

“Como forma de prevenção e queda das vendas, temos trabalhado em dois horários com equipes diferentes. Cinco funcionários vêm pelo período da manhã, das 8h às 14h, e outro grupo vem pela tarde e fica das 14h até as 18h30. Em dias normais, ficam doze funcionários trabalhando durante todo o dia”, completou Araújo.

O representante de loja, Jefferson Souza Pimentel, 27, contou que precisa se esforçar o dobro para conseguir clientes para os centros comerciais. A função dele é chamar a atenção do cliente com a mercadoria e encaminhá-lo até as loja situadas nas dependências da galeria de compras.

“Tem duas semanas que a movimentação é baixa e isso é por conta do alarde da epidemia. Para você ter uma ideia, em dias normais, a gente consegue levar 100 clientes, por dia, para a loja. Ontem, levei apenas 20 clientes”, lamentou. 

Sem opções

Por outro lado, apesar do pouco movimento, alguns consumidores destacam a necessidade de ir ao comércio porque precisam resolver pendências, como foi o caso da vendedora, Noely Pimentel, 45. “Estava resolvendo um problema no banco e inclusive pedi folga para resolver isso. Não tenho como me ausentar e ficar em casa por conta do trabalho. Não tem jeito, é algo que a gente precisa”, explicou.

Tirar abono salarial (PIS/PASEP) era o objetivo da funcionária de serviços gerais, Maria Sonia Viana, 36, que veio do distrito de Cacau Pirêra, no município de Iranduba (a 27 quilômetros a sudoeste de Manaus). “Vim no Centro apenas para isso e as loterias estão todas fora de sistema. Creio que se tiver que pegar cononavírus, eu vou pegar. Mesmo mascarado e utilizando álcool, as pessoas ficam doentes. Agora, não vou deixar de sair de casa por isso”, disse.

Já a doméstica Elizete Mariano, 43, fazia “hora” pelo bate-palma enquanto aguardava um parente vindo do interior. Em frente a uma loja de calçados, ela conferiu o produto de perto. “A gente não pode ficar em casa com medo. Se tiver que morrer, vamos todos morrer”, afirmou.

Outra pessoa que não se importa muito com epidemia mundial é a auxiliar de serviços gerais, Osvaldina Lima do Nascimento, 56. Ela, vinda do Manaquiri (distante 60 quilômetros de Manaus), explicou que veio para sacar o abono salarial e enquanto isso escolhia uma sombrinha para continuar o percurso. “Eu não sou do grupo de risco, então estou mais aliviada. Eu tenho muita fé em Deus”. Questionada pela reportagem se utilizava álcool gel, ela reforça: “Carrego a palavra do Senhor na minha bolsa”, finalizou.

Feirantes evitam usar máscaras

Na manhã de ontem, poucos permissionários da feira da Manaus Moderna, na Zona Centro-Sul, utilizavam máscaras  ao tratar com clientes e manusear alimentos como prevenção ao Covid-19. O vendedor de peixes Fredson Carmo dos Santos, 44, decidiu “tapar o rosto” para resguardar a própria saúde. “Cuido de mim em primeiro lugar”, afirmou.

Uma reunião com a unidade gestora da Manaus Moderna sobre os procedimentos que deverão ser adotados pelos feirantes está marcada para a tarde de hoje. O açougueiro Valcenir Ferreira Cruz, 42, ainda não havia aderido à máscara, já que “são alimentos que precisam ser preparados”, mas tem evitado contato próximo com a clientela.

O auxiliar de serviços gerais da Manaus Moderna Davi Barão, 24, disse que começou a usar máscaras logo que soube do primeiro caso confirmado do novo coronavírus no Amazonas, divulgado na sexta-feira passada. “Vou continuar trabalhando até que determinem a paralisação das atividades”, afirmou. E ao contrário do que ele informou à reportagem, não foram identificados pontos de higienização com álcool em gel na feira.

O vendedor Joel Cristian Mendonça, 24, redobrou os cuidados para evitar o contágio pelo Covid-19 e só sai de casa protegido. A loja de bijuterias em que trabalha, no Centro, disponibiliza os itens básicos para a proteção dos funcionários.

*Colaborou o repórter Daniel Amorim. 

News karol 2d8bdd38 ce99 4bb8 9b75 aaf1a868182f
Repórter de Cidades
Jornalista formada pela Uninorte. Apaixonada pela linguagem radiofônica, na qual teve suas primeiras experiências, foi no impresso que encarou o desafio da prática jornalística e o amor pela escrita.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.