Terça-feira, 20 de Outubro de 2020
REFLEXO

Covid-19 pode causar 'quarta onda' de problemas da saúde mental

Conclusão é do especialista que comanda o Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas em São Paulo, o professor Táki Cordas



depressao_F14F19D1-0C2F-4657-80E5-53E980295A6F.jpg
22/09/2020 às 13:53

A piora do quadro de transtornos psiquiátricos e o surgimento de novos casos na área em função da pandemia de Covid-19 sinaliza uma “quarta onda” de fenômenos associados à maior crise sanitária mundial desde a gripe espanhola, há mais de 100 anos. É o que prevê o coordenador de Assistência Clínica do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas em São Paulo, professor Táki Cordas.

Na manhã desta terça-feira (22), Cordás participou de videoconferência promovida pelo Fórum de Reportagem Sobre a Crise Global de Saúde, na qual abordou os efeitos psiquiátricos e neurológicos da Covid-19 na população. Na classificação do especialista, a pandemia, a superlotação das unidades de saúde, a explosão de quadros clínicos restritos ao ambiente doméstico representam as ondas que antecedem o pico de problemas relacionados à saúde mental.



Segundo Cordás, 10% a 15% dos pacientes apresentam sinais de impacto neurológico na fase aguda da doença, como encefalite e delirium tremens (estado de confusão psicológica que afeta alcoólatras em abstinência).  “Há relatos de pessoas que viam animais, gente conversando, e até xingaram médicos que não existiam”, conta. “Essas pessoas relataram perda de memória que persiste depois da fase aguda”.

Casos de depressão têm aumentado, o que pode ser um reflexo da Covid-19, do trauma da internação ou efeito colateral das cortisonas, classe de medicamentos utilizada para tratar inflamações. Outros pacientes foram acometidos de mania, espécie de aceleração no comportamento identificada em pandemia anteriores, como a do Ebola e da Sars em 2002, além de veteranos de guerra e vítimas de tortura. O consumo de álcool e drogas em indivíduos com histórico de depressão, pânico, anorexia e alcoolismo também cresceu.

A rotina de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) exerce forte influência sobre a condição psicológica do internado, devido à série de estímulos que prejudicam a qualidade do sono, como aparelhos e medicamentos que precisam ser tomados em horários específicos. “É um ambiente inóspito e solitário”, ressalta Cordás.

A falta de contato com os familiares, o medo de morrer e de perdê-los podem ser agravados pelo empobrecimento e pelo desemprego. “Algumas pessoas conseguem lidar melhor com o estresse, aquilo que chamamos de resiliência, outros, não”, explica o psiquiatra.

Indagado pelo mediador da conversa, o jornalista Alexandre Orrico, sobre o alcance dos efeitos da Covid-19 na população, o psiquiatra afirmou que “ainda não temos condições de dizer, mas há relatos de equipes médicas que atuaram em outras pandemias. Tem gente que começa a apresentar problemas até dois anos depois de atuar na linha de frente”.

News d amorim 845c88c9 db97 48fa b585 f1c0cb967022
Repórter de Cidades
Formado em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam). Além de A Crítica, já atuou em uma variedade de assessorias de imprensa e jornais, com ênfase na cobertura de Cidades e Cultura.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.