Sexta-feira, 04 de Dezembro de 2020
Grupo de risco

Desafio das grávidas em tempo de pandemia

O tão esperado nascimento de um filho se transforma em apreensão, prevenção redobrada e muitos cuidados



Sem_t_tulo_588B44F5-DB4F-4D15-A684-14987477CAAE.jpg Foto: Arquivo A CRÍTICA
22/11/2020 às 09:19

No Amazonas, de março até outubro deste ano, 371 grávidas testaram positivo para a Covid-19, sendo 12 acabaram morrendo em decorrência da doença. Além disso, foram 119 casos confirmados em mulheres puérperas, que são aquelas que acabaram de ter o filho. Dessas, a Covid-19 matou nove mulheres.  Os dados são da Fundação de Vigilância Em Saúde (FVS-AM).

Logo no início da pandemia, o Ministério da Saúde classificou mulheres grávidas, puérperas, e em situação de pós-aborto como grupo de risco para a covid-19. Em consequência disso, muitas grávidas foram afastadas de suas atividades. Recentemente e com mais frequência, as medidas de isolamento têm sido reduzidas e muitas gestantes relaxaram as medidas de isolamento.



Infectada no 6º mês

Camila Souza, 21, é do município de Coari, a 363 km de Manaus. Durante o mês de junho, ela estava gestante quando foi infectada com a covid-19. Segundo ela, foram os momentos mais apreensivos da gestação.

“Fiz de tudo para me proteger desse vírus durante a minha gravidez, infelizmente não consegui, quando eu estava no meu 6º mês de gestação testei positivo para a covid. Passei muito mal, fui para o hospital diversas vezes. Minha pressão baixou muito e tive muita falta de ar. Não perdi o meu bebê, graças a Deus conseguimos sobreviver”, afirmou.

Segundo o infectologista Marcelo Mendonça, o que temos de mais recente relacionado à covid-19 e gravidez é que essas mulheres têm riscos maiores quando comparadas a mulheres da mesma faixa etária não gestantes, mesmo em gestações de baixo risco.

“Os principais motivos são os sistemas de defesa que, durante a gestação, fica afetado e as alterações próprias da gravidez. Além disso, não temos observado uma redução significativa de casos em gestantes que justifique a retomada de uma rotina igual ao período pré-pandemia", disse o infectologista.

Medidas de prevenção

Após a pandemia, surgiram várias medidas de prevenção. Alguns médicos passaram a aumentar o período de intervalo entre consultas, priorizar o atendimento às gestantes deixando as recepções dos consultórios mais vazios; atendimento por telemedicina, junção de exames para datas próximas, reduzindo a  ida aos laboratórios.

Já os hospitais passaram a testar gestantes mesmo sem sintomas, restringindo o número de profissionais na assistência ao parto. Alguns reduziram. e outros limitaram a entrada de visitantes como formas de reduzir o risco de contaminação neste período em que a assistência de saúde não pode esperar.

Riscos para a mãe e bebê

Esse quadro de covid em gestantes é marcada por uma subida na pressão durante a gestação, que pode trazer problemas para a mãe e o bebê.

“A Covid-19 gera uma inflamação com potencial de causar tromboses. E isso pode interferir nos mecanismos que causam pressão alta na gravidez”, informa o infectologista.

De acordo com uma revisão sistemática do PregCOV-19 Living Systematic Review Consortium, publicada no periódico BMJ, grávidas com Covid-19 podem, sim, estar mais sujeitas a um parto antes da hora. Aliás, diversas outras infecções estão associadas com esse quadro.

News arquipo goes 2c317e75 17b0 4df4 8ca8 d44839069971
Repórter do acritica.com
Jornalista formado pelo Centro Universitário do Norte (Uninorte), natural do município de Coari-AM

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.