Quinta-feira, 26 de Novembro de 2020
EUA

Embaixador estadunidense nega bloqueio de material hospitalar para o Brasil

Para Todd Chapman, essas informações são 'notícias ruins' divulgadas por pessoas que querem avançar com suas 'agendas pessoais ou de governo'



800px-todd_c_chapman_2016_AE728FB2-D5B6-4472-8769-441B7C278F28.jpg Foto: Departamento de Estado dos EUA
07/04/2020 às 16:11

O novo embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, negou hoje (7), em entrevista coletiva online, que seu país tenha adquirido, comprado, retido ou bloqueado qualquer equipamento hospitalar ou medicação destinada ao Brasil para combate ao novo coronavírus (Covid-19).

Segundo Chapman, tais informações são “notícias ruins” divulgadas por pessoas que querem avançar com suas “agendas pessoais ou de governo” ou mesmo de “muitos comerciantes que querem vender para lá e para cá” na busca por lucros cada vez maiores.



“Nossos oficiais de Justiça já estão trabalhando contra isso, porque nossa lei não permite esse tipo de prática, visando [estabelecer] preços supervalorizados”, disse o embaixador.

“O governo dos EUA não comprou nenhum material médico fabricado na China e destinado ao Brasil”, disse. “E, durante essa emergência de saúde, é muito importante cuidar das informações e saber de onde elas vêm”, acrescentou.

Com relação a denúncias públicas feitas por governadores de que seu país teria bloqueado remédios e equipamentos que teriam como destino as regiões Norte e Nordeste, Champman pediu que essas informações sejam repassadas a seu governo para que sejam investigadas.

“Os governadores podem nos passar informações para que investiguemos. Já o fizemos e vimos que não está acontecendo. Havendo qualquer preocupação, podem nos contatar. Repito: não estamos bloqueando essas coisas. Isso, no entanto, não significa que não haja pessoas dizendo que isso está acontecendo”.

Parceria histórica na saúde

Na conversa com os jornalistas, o embaixador destacou a “longa e produtiva história” que Brasil e EUA têm na área da saúde, o que viabilizou a instalação de escritório de controle de doenças há pelo menos uma década, bem como trabalhos conjuntos relacionados a outros vírus, como o Zika e o HIV.

“Pontualmente, estamos compartilhando muita informação, sobre o que estamos vendo e estudando [sobre a doença] nos EUA. Além disso, nosso setor privado está entrando em ação em vários setores, já presentes aqui. Fiz videoconferências com essas empresas. Algumas estão reparando respiradores, abrindo informações, aumentando a produção de máscaras. O setor privado norte-americano que já está há muito [atuando] no Brasil”, disse o embaixador.

Ele destascou também a linha de swap [medida que envolve câmbio de moedas com o objetivo de dar estabilidade a elas] anunciada recentemente pelo Federal Reserve, de US$ 60 bilhões para ajudar o Brasil a tranquilizar seu mercado.

Prioridades na relação com o Brasil

Recém-chegado para desempenhar a função de embaixador dos EUA no Brasil, Chapman disse que terá três prioridades.

“A primeira envolve economia, comércio e investimentos. Isso vai ser ainda mais importante após sairmos dessa crise. Em segundo lugar está a área de segurança. Não só militar, mas também policial, fazendo tudo para a segurança de nossos povos, de forma a nos proteger de inimigos como terroristas e traficantes”, disse.

“Em terceiro lugar estão os temas globais aos quais Brasil e EUA têm sintonia, como democracia, liberdade de expressão, liberdade religiosa”, acrescentou, ao se classificar como um tipo de embaixador que vai além de recepções “para arregaçar as mangas e trabalhar com o povo e com os ministros brasileiros, para o bem do Brasil e dos EUA, porque quando nossos amigos estão seguros, os EUA também estão”.

Voos entre Brasil e EUA

Chapman disse que, entre os motivos de os Estados Unidos manterem os 16 voos semanais com o Brasil, está a preocupação de seu país com os 260 mil norte-americanos que vivem permanentemente no Brasil, mas que o bloqueio de voos é algo que “sempre será analisado” por seu governo. “Vamos conversar, tanto para proteger nosso país como para o Brasil proteger o seu”, disse.

Embaixador

O embaixador Todd Chapman chegou ao Brasil no dia 29 de março. Antes, serviu no Equador, de 2016 a 2019.

De acordo com a embaixada dos EUA no Brasil, ele foi vice-secretário adjunto principal para Assuntos Políticos e Militares no Departamento de Estado (2014-2016); vice-chefe de Missão na Embaixada dos Estados Unidos em Brasília (2011-2014); coordenador adjunto sênior para Assuntos Econômicos da Embaixada dos Estados Unidos em Cabul, Afeganistão (2010-2011) e encarregado de negócios na Embaixada dos Estados Unidos em Maputo, Moçambique (2007-2010). Também serviu na Bolívia, Costa Rica, Nigéria e Taiwan, além de ter ocupado diversos cargos no Departamento de Estado em Washington.

Chapman é formado em História pela Universidade de Duke (1983) e concluiu em 2000 um mestrado em Inteligência Estratégica na Escola Nacional de Inteligência.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.