Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2021
Dia histórico

Enfermeira indígena é a primeira a receber vacina e cobra ampliação da imunização

“Viva os povos indígenas, a todos os indígenas do Estado. Esse momento é histórico para o Amazonas", disse a técnica de enfermagem e ativista indígena, Vanda Witoto



140058820_4955332634541870_2762731218300145689_o_FDF9CB91-42AE-415D-B58D-3CFF3A181ABB.jpg Foto: Junio Matos
18/01/2021 às 21:54

A técnica de enfermagem Vanda Ortega, de 33 anos, foi a primeira ciadadã do Amazonas a receber a vacina contra a Covid-19 durante o evento de lançamento da campanha de vacinação no Estado. Vanda é uma das principais lideranças do maior bairro indígena em um grande centro urbano do Brasil, o Parque das Tribos, situado na Zona Oeste de Manaus. Na comnunidade vivem cerca de 2500  indígenas de 35 etnias diferentes. 

"Viva os povos indígenas, a todos os indígenas do Estado. Esse momento é histórico para o Amazonas. Esse Estado precisa olhar para as populações indígenas do Amazonas. Esse momento representa muito pra o meu povo Witoto e para os 63 povos do Amazonas. Esse Estado que tem a maior população precisa ser cuidado", disse..

Durante o discurso, Vanda, que é natural do município de Amaturá, cobrou que os povos indígenas não aldeados estejam entre o grupo prioritário de vacinação. "Queremos que a vacina chegue aos nossos povos indígenas. Ha uma precariedade junto aos nossos povos", afirmou.

No último ano, o Parque das Tribos perdeu o cacique da comunidade, Messias Kokama, vítima da Covid-19. Ao receber a vacina, Vanda lembrou das necessidades que a comunidade passa, e reforçou a necessidade da vacinação para indígenas da cidade. 

"Nesse momento de pandemia, nossas comunidades não tem água potável. Sou muito grata às pessos que tem nos ajudado. Temos recebido alimentos doados na comunidade. Queremos a vacina não só para 410 indígenas, hoje somos um milhão", defendeu.

Oxigênio

O governador Wilson Lima (PSC) afirmou, durante o lançamento da campanha de vacinação, que o Amazonas deve estabilizar o fornecimento de oxigênio nas próximas horas em unidades do Estado. "Estamos estabilizando a questão do oxigênio e nas próximas 24h esperamos ter a situação equilibrada. Nós devemos ter a quantidade necessária nos próximos dias. A partir daí nós pretendemos fazer a abertura de novos leitos. Vamos colocar funcionamento o hospital Nilton Lins. Além do que estamos recebendo um navio da Marinha que é um barco hospital com mais 50 leitos. A orientação é que as pessoas assim que tiverem qualquer sintoma procurem atendimento básico mais próximo da cidade”, disse. 

Sobre a vacinação no Amazonas, o governador afirmou que o estado deverá seguir um protocolo estabelecido para que a campanha efetividade da campanha. “Há todo um procedimento e todo um protocolo adotado pelo Estado e pelas prefeituras. Tudo isso deve ser feito sem aglomerações. Ainda mais porque esse grupo é o mais acometido pela Covid-19”, afirmou WIlson. 



Sobre Vanda Ortega

Vanda Ortega nasceu no dia 20 de meio de 1987, às margens do rio Solimões, na Aldeia Colônia, do município de Amaturá, interior do Amazonas. Vanda é da etnia Witoto e seu nome na língua materna é Derrquine, que significa “formiga brava”.

A indígena é técnica de enfermagem e acadêmica de pedagogia na Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Vanda faz parte da Coordenação dos Estudantes Indígenas do Estado do Amazonas (Meiam) e atua como articuladora política da Associação dos Witoto do Alto Solimões. Atualmente reside no primeiro bairro indígena de Manaus, o Parque das Tribos. Lá, desde o início da pandemia, ela ajudou a cuidar de diversos vizinhos, indígenas como ela. 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.