Sexta-feira, 14 de Agosto de 2020
LEVANTAMENTO

Mapa Social do Corona indica acesso desigual à saúde na pandemia

De acordo com o mapa, um dos problemas é o fato de as unidades de atenção básica não terem recebido testes no início da crise



2020-04-17t160539z_1_lynxmpeg3g1qs_rtroptp_4_health-coronavirus-brazil_4F6CF103-8CA5-4922-B51B-E6FB5FD90824.jpg Foto: Roosevelt Cassio/Reuters
15/07/2020 às 15:58

A quinta edição do Mapa Social do Corona, lançado na noite de terça-feira (14) pela organização Observatório de Favelas, traz como tema o Acesso Desigual à Saúde no Rio de Janeiro: Dversidades Sanitárias Históricas e Direitos Urgentes à Vida Saudável.

A publicação quinzenal tem como objetivo dar visibilidade aos impactos desiguais da pandemia de covid-19 na cidade e identificar ações urgentes que precisam ser colocadas em prática para enfrentar a crise sanitária.



Nesta edição, foram ouvidos profissionais de saúde que atuam nas favelas da Rocinha, Maré e Manguinhos, que falaram sobre as dificuldades enfrentadas pela população destas comunidaders para ter acesso a um direito básico.

“Buscamos revelar, por meio da voz dos profissionais que atuam em áreas de favelas e da análise espacial da distribuição de equipamentos de saúde, a histórica conformação socioespacial desigual do território carioca. Este quadro é aprofundado no momento atual pela pandemia da covid-19 e pelas erráticas políticas públicas na área de saúde postas em prática nos últimos anos pelas várias instâncias de governo”, diz o boletim.

De acordo com o mapa, um dos problemas é o fato de as unidades de atenção básica não terem recebido testes no início da crise – atualmente, apenas as pessoas com sintomas aparentes ou dos grupos de maior risco para a covid-19 conseguem ter acesso a eles.

O Observatório de Favelas destaca ainda o atendimento a pacientes com sintomas da doença na parte externa das unidades de saúde, sem janelas, nem ventilação adequada, “requisito básico para espaços de recuperação de doenças respiratórias e contagiosas”.

Também há relatos dos profissionais que precisam escolher apenas os casos mais graves para tratar, devido à falta de estrutura para acolher todos os pacientes.

O boletim ressalta que os moradores de localidades como Inhaúma, Vicente de Carvalho, Acari, Costa Barros e Anchieta estão há mais de 5 quilômetros de um leito com respirador e precisam andar mais de 30 minutos a pé para chegar a uma unidade e receber o primeiro atendimento de covid-29. Segundo a publicação, os problemas se agravaram desde 2016.

“Observamos o congelamento de gastos públicos impactando sobremaneira os investimentos em saúde, assim como a desestruturação da Política Nacional de Atenção Básica, desestimulando a Estratégia de Saúde da Família e reduzindo o número mínimo de agentes comunitários de saúde por equipe”, diz o Mapa Social do Corona.

Demissões

De acordo com a publicação, na cidade do Rio de Janeiro, 700 mil pessoas tiveram o atendimento em saúde prejudicado por demissões ocorridas no setor entre outubro de 2018 e fevereiro de 2019. Foram desligados nesse período 465 agentes comunitários de saúde, 30 técnicos de enfermagem e 20 enfermeiros, “além de médicos e equipes inteiras de apoio à saúde da família”, diz o levantamento.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, a informação não procede, e 13 clínicas da família foram inauguradas nos últimos três anos.

“Para adequar a rede à necessidade da população, a Estratégia Saúde da Família passou por reestruturação em 2018, com a distribuição das equipes conforme o número de pessoas atendidas no território, o que permitiu que a Atenção Primária continuasse atendendo a mesma quantidade de pessoas, ofertando os mesmos serviços, mas com mais qualidade para o paciente”, diz a secretaria.

A desigualdade reflete-se nos dados sobre a pandemia: pelos números do Ministério da Saúde, no Brasil, a taxa de letalidade da doença está em 3,8%, enquanto no estado do Rio de Janeiro a proporção de mortes causadas pela doença sobe para 8,75%, conforme dados da Secretaria de Estado de Saúde.

Na capital, são 65.121 casos confirmados e 7.432 óbitos, o que representa taxa de letalidade de 11,4%. Considerados só os números da covid-19 nas favelas cariocas, a taxa de letalidade vai para 15,8%, com 3.891 casos e 607 óbitos, segundo o painel do Voz das Comunidades.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.