Quinta-feira, 21 de Outubro de 2021
SUBNOTIFICADOS

Mortes por Covid-19 em Manaus pode ser 126% maior que número oficial

Montante total poderia chegar a 3.277 mortes, quantidade 126,3% maior do que as 1.448 mortes confirmadas pela doença em laboratório pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM)



show_49829803547_a6fab6b5c9_k_078A9A06-6F4B-4EF7-B4C3-29D989F142F0__1__1EE3D6D8-AF43-4786-9D5A-29CA07072150.jpg Foto: Euzivaldo Queiroz
24/06/2020 às 19:13

Um estudo publicado no 12º Boletim do Atlas ODS Amazonas, nessa quarta-feira (24), estima que Manaus pode ter tido cerca de 1,8 mil mortes por Covid-19 a mais do que o confirmado. O montante total poderia chegar a 3.277 mortes, quantidade 126,3% maior do que as 1.448 mortes confirmadas pela doença em laboratório pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), até a data analisada pelos pesquisadores.

Assinado pelo cientista Bruce Walker Nelson, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), e pelo professor Dr. Henrique dos Santos Pereira, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), o estudo levou em conta o número total de mortes em excesso durante a pandemia (3.277), relacionados a dados de sepultamento na capital amazonense no período de 1º de abril a 10 de junho de 2020, ou seja, a quantidade de mortes acima da taxa normal para um período sem crises.



Com os dados das mortes totais, os pesquisadores afirmam que a data prevista para iniciar a abertura do isolamento social, com segurança, seria 6 de junho, e poderia ter sido estimada com antecedência de 31 dias. Já com os dados de mortes confirmadas pela FVS, a data seria 16 de junho, estimada com antecedência de apenas 21 dias. Para os cientistas, a previsão feita com os dados de sepultamentos, além de informação com mais precisão, anteciparia em dez dias o início da flexibilização segura. De qualquer forma, a data escolhida para a retomada gradual foi o dia 1º de junho, antes do período estimado pelos cientistas como seguro.

Basicamente os cientistas buscaram explicar uma curva gigante nos óbitos que não foram notificados como sendo em decorrência da Covid-19, levando em conta que o Amazonas não possuía quantidades suficientes de testes para todos os óbitos no período do pico da doença, quando a quantidade de pessoas mortas, inclusive em casa, estava aumentando a cada dia.

O salto na diferença de óbitos notificados, as chamadas subnotificações, tem início no dia 5 de abril, com um pico no dia 25 de abril, quando Manaus beirou o triste cenário de colapso no sistema funerário, com mais de 140 mortes em um único dia. Boa parte desses pacientes foi atestado como óbitos em decorrência de síndrome gripal aguda, podendo ter sido a real causa a Covid-19, já que os sintomas são semelhantes. 

As autoridades de Saúde do Amazonas caminham agora para elucidar boa parte das mortes subnotificadas, e o estudo dos cientistas do AM contribuem para este levantamento. O objetivo é dar um cenário mais realista do impacto da pandemia no Estado. Novos números devem ser apresentados pela Fundação Vigilância em Saúde (FVS-AM), na próxima semana. 

A presidente da FVS, Rosemary Pinto, durante entrevista exclusiva ao A Crítica no último domingo (24), reconheceu a existência de uma curva de casos que mostra o “excesso de óbitos completamente fora do padrão e fora do esperado” durante o ápice da pandemia. “Sabemos que muitos desses óbitos não estão identificados como Covid-19”, acrescentou.

“Aqui na FVS-AM, desde o início, nós tratamos essa questão da pandemia com muita transparência. É claro que nós temos muita subnotificação, muitas pessoas ficaram em casa, muitos foram orientados que eles não procurassem as unidades de saúde. Então, muita gente ficou em casa, não teve acesso a testes e nós não sabemos quem são essas pessoas, mas temos a plena consciência de que o número de casos de Covid-19 foi muito maior que os registrados”, disse.

“Nos últimos 20 dias, trabalhamos intensamente para investigação dos óbitos domiciliares em Manaus. Todos os óbitos que podiam ser Covid-19 e sem uma definição de causa básica, eles foram investigados. Agora, nós estamos na fase de tabulação desses dados e de apresentar os resultados no sentido de esclarecer esses óbitos em casa”, informou.

Confirmados

O Amazonas diagnosticou mais 1.342 casos de Covid-19 nessa terça-feira (23), sendo 23 casos novos detectados por exame de biologia molecular RT-PCR e 1.319 por testes rápidos, com data de sintomas entre oito a 60 dias,  totalizando 65.073 casos confirmados do novo coronavírus no estado. O boletim informa ainda que foram confirmados mais 15 óbitos pela doença,  elevando para 2.686 o total de mortes em decorrência do vírus.

*Colaborou Karol Rocha e Daniel Amorim


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.