Domingo, 20 de Setembro de 2020
PRECAUÇÃO

Pacientes curados da Covid–19 são mais sensíveis à fumaça de queimadas

Clínico Geral do Sistema Hapvida Hapvida explica que a fumaça faz com que a inflamação pulmonar de pacientes que tiveram Covid leve a uma franca falta de ar



WhatsApp_Image_2020-08-12_at_08.52.43_FDDFDBB5-5A82-4B7C-B78D-63A1CBABC02F.jpeg (Fotos: Divulgação)
12/08/2020 às 09:58

Não são apenas as crianças suscetíveis aos males causados pela fumaça das queimadas. Pessoas de todas as idades, principalmente as que têm comorbidades, podem ter o quadro agravado; porém, para os que já testaram positivo para a Covid–19, a situação pode ser agravada.

“O Coronavírus somando-se à fuligem é pior. Pois, já temos população propensa a ter essa irritação pela inalação. Em Parauapebas, o número de de pessoas já contaminadas com a Covid-19 é alto, o vírus pode deixar sequelas que levam dias ou meses para ter a recuperação total. Então a fumaça faz com que essa inflamação pulmonar venha à tona deixando a pessoa, novamente, com franca dispneia, tendo que procurar o pronto atendimento para fazer alguma medida para retornar à normalidade”, explica Dr. Izac Miranda, Clínico Geral do Sistema Hapvida.

O médico afirma ainda que os idosos, fumantes e ex-fumantes também fazem parte do público para o qual requer mais cuidados neste período em que as queimadas são comuns, pois, são mais propensos a sentir a insalubridade da fumaça e da fuligem. “Toda a pessoa, com o envelhecimento, tem debilitação de todos os órgãos; e na questão pulmonar não é diferente”, admite Izac Miranda, detalhando que nesta fase é comum que desenvolvam gripes, resfriados e até pneumonia com mais frequência, que podem ser mais agradas com a presença da fumaça e fuligem.



Em pessoas de todas as idades, os efeitos da fumaça e fuligem produzidos por estas queimadas podem causar problemas de saúde como intoxicação, acidente vascular cerebral (AVC), desordens cardiovasculares, enfisema pulmonar, asma, conjuntivite, bronquite, irritação dos olhos e garganta, tosse, falta de ar, nariz entupido, vermelhidão e alergia na pele, além de contribuir para o efeito estufa e aumentar, ainda mais, os efeitos negativos provocados pela baixa umidade do ar nos períodos de seca. Se houver fuligem, soma-se ao seu potencial tóxico, o gasto de água (geralmente potável) para a limpeza. 

Sobre o Sistema Hapvida - Com cerca de 6,4 milhões de clientes, o Sistema Hapvida hoje se posiciona como o maior sistema de saúde suplementar do Brasil presente em todas as regiões do país, gerando emprego e renda para a sociedade. Fazem parte do Sistema as operadoras do Grupo São Francisco, América, Promed e Ame, RN Saúde, além da operadora Hapvida. Atua com mais de 30 mil colaboradores diretos envolvidos na operação, mais de 15 mil médicos e mais de 15 mil dentistas. Os números superlativos mostram o sucesso de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos: atualmente são 39 hospitais, 194 clínicas médicas, 42 prontos atendimentos, 177 centros de diagnóstico por imagem e coleta laboratorial.

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.