Sexta-feira, 25 de Junho de 2021
Luto

Criador do Kikão manauara, Alceu Pereira morre vítima da Covid-19

Empresário fez sucesso nos anos 80 em Manaus com a rede de lanchonete 'Ki Kão', que regionalizou o cachorro-quente substituindo o nome do sanduíche tipicamente norte americano



u76_4B67A819-8E8D-4FFF-89A9-7B13E6AE7BD5.JPG Foto: Arquivo AC
04/02/2021 às 17:55

Morreu nesta quinta-deira (4), o empresário Alceu Pereira, que criou o sanduíche 'kikão' no Amazonas para se referir ao cachorro quente. Ele estava internado com Covid-19 em um hospital privado de São Paulo.

Natural do Rio Grande do Sul, há mais de 40  anos o gaúcho Alceu Pereira trocou o frio dos pampas pelo calor do Norte em busca de oportunidades, mas o que ele nunca iria supor, naquela época, é que devido ao sucesso de um sanduíche, ele iria mudar, definitivamente, a maneira que o amazonense chama uma iguaria tipicamente estadunisense. 

Em Manaus, ele foi o pioneiro em adaptar um trailer em lanchonete, prática que por aqui se popularizou nos anos 80, escreveu a jornalista Daniela Lopes em uma reportagem de A Crítica publicada em 2011. “Eu mandei fazer o trailer no Rio Grande do Sul e trouxe junto com um amigo pela Transamazônica. Ao chegar em Manaus, fixei o ponto na antiga rua José Clemente esquina com a Costa Azevedo”, revelou o empresário  para a jornalista.

O que ele jamais imaginava era que a sua receita de cachorro quente conquistaria o paladar da juventude da época, e lançou a rede "Ki Kão".

Mais salsicha

Uma tonelada de salsicha para suprir a demanda. Alceu teve que descobrir o contato do escritório da Sadia, em São Paulo, porque em Manaus não havia supermercado que pudesse atender o seu pedido. Na ocasião, ele contou ao A Crítica que encomendou uma tonelada de salsicha, 500 kg de hamburger, 500 kg de presunto e 500 kg de queijo.

“O atendente ficou surpreso com a quantidade do pedido e me perguntou para que eu queria aqueles produtos e eu respondi que tinha um trailer e vendia sanduíches. Ele achou que eu era louco e só me enviou a encomenda - que veio num avião próprio da Sadia - após ter recebido a ordem de pagamento via Telex ”, C contou Pereira, que tinha alugado uma câmara frigorífica na Frigelo para estocar os perecíveis.

“Houve um período em que fiquei com três trailers: o da esquina em frente à praça São Sebastião, um no Boulevard e ou na antiga Bola da Suframa. Foi uma época em que eu eu não tinha tempo para nada e mal conseguia dormir”, admitiu o pai do kikão.

Velório

Em um comunicado, a família informa que o velório está marcado para acontecer às 22h desta quinta-feira (4), e agradece a todas as condolências e mensagens de conforto recebidas até o momento.



News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.