Domingo, 29 de Novembro de 2020
ATIVIDADES DIDÁTICAS

Pais buscam alternativas para aprendizagem dos filhos durante o recesso escolar

Com aulas suspensas, pais buscam alternativas de entretenimento aos pequenos, e o estímulo à aprendizagem delas durante o confinamento se torna um desafio



WhatsApp_Image_2020-03-25_at_12.17.05_340B7156-44C6-4FC4-B855-AC4E407DE2BC.jpeg Foto: Jair Araújo
30/03/2020 às 08:13

O dia a dia das crianças também mudou devido à pandemia do novo coronavírus. Com as aulas suspensas, sobra mais tempo para as atividades em casa. Entretanto, o desafio dos pais é buscar alternativas de entretenimento às crianças, e o estímulo à aprendizagem delas durante os dias de confinamento.

Quem precisa conciliar o trabalho realizado de casa e o cuidado com o filho de três anos é a designer Deyselane Sena, de 35 anos. Ela conta que segue, a risca, as atividades implementadas pela escola para o recesso que deve durar pouco mais de quinze dias, porém atrelado a outros exercícios. “A escola dele mantém um diálogo ativo através do whatsapp com os pais. Então, atividades foram passadas para realizar em casa nesse período. Em paralelo a isso, desenvolvo atividades didáticas e motoras com ele”, explica.



“Também reforcei as atividades virtuais com um tablet para me auxiliar, pois esse momento não é de lazer e férias, e como todos em casa, temos que dividir bem as tarefas e horários”. Mãe de uma menina de dois anos e nove meses, a estudante de serviço social, Simone Cristina de Souza, 41, afirma que estimular a aprendizagem de uma criança não é fácil, e exige muita dedicação.

“Eu passo para ela atividades de pinturas e vídeo musicais para que distraia e ao mesmo tempo, aprenda. Porém, chega um momento que ela enjoa, por que está acostumada com as atividades da escola como brincar com os coleguinhas o que no momento, não pode”. 

Já o analista fiscal Danilo Rodrigues, 27, pai de um menino de 10 anos, acredita que é preciso impor responsabilidades a garotada. "Ter uma criança, em casa, só vendo vídeos na internet não é produtivo e muito menos saudável. Acredito que ela precisa pensar, raciocinar e é o que faço em casa quando estou com ele aos finais de semana", comentou. "O meu maior desafio está sendo acompanhar meu filho nesse recesso por que ainda continuo trabalhando, então, procuro acompanhá-lo por telefone e peço que ele tome a iniciativa para ver o que precisa fazer de atividade”. 

Rotina é necessária

Conforme a orientadora educacional, Ludmylla Rodon, é fundamental criar-se uma rotina de atividades como mecanismo para inserir ao dia-a-dia das crianças, os estudos. “O primeiro desafio dos pais é criar uma rotina e eu tenho visto isso na prática com algumas famílias. Por exemplo, ao acordar a criança ou o jovem pode arrumar o quarto e depois do café da manhã, iniciar a primeira etapa das atividades implementadas pela escola. Logo após o almoço, a criança que tem o costume de descansar, pode dormir, mas aquela que não tem o costume, já pode iniciar as atividades. Eu não oriento que os pais se atentem tanto ao relógio e sim, a metas”, destacou a especialista.

Outra dica da educadora, é para que os pais combinem, com a criança, a rotina que ela terá no dia seguinte, e ainda, aconselha que essas atividades aconteçam de forma gradativa. “Isso faz com que ela tenha clareza de início, meio e fim do dia e claro, tentando sempre ajustar os horários para o sono. Minha sugestão: não tentem fazer um único momento de estudo por que dependendo da quantidade de atividades, tudo vai se tornar muito cansativo. Estudar um pouco de manhã e um pouco a tarde, otimiza mais o seu dia”, explicou ela, fazendo um apelo aos pais de que o momento não é propício para sobrecarregar a criança.

E faz ainda um alerta para o cuidado com a relação entre pais e filhos dentro de casa. “O importante é conciliar e não buscarmos o extremo. Nós precisamos nos flexibilizar por que senão vai acontecer o desgaste da relação dentro de casa e isso acaba criando um cenário ainda mais delicado. Agora é um momento de se aproveitar e desenvolver outras habilidades das crianças como a paciência e a criatividade diante do ócio”, finalizou.  

Tecnologia como aliado

A favor da tecnologia, a pedagoga especializada em educação infantil, Ramilda Costa de Araújo, afirma que os pais podem utilizar a internet como alternativas para aprendizagem. Ela não descarta outras opções de entretenimento educacional como jogos de tabuleiro e a leitura feita em conjunto com os pais ou responsáveis. 

"Nós temos muita sorte de vivermos em uma era tecnológica e a gente pode usar isso ao nosso favor. O Google é uma fonte inesgotável de informações, e lá tem atividade para todas as séries e idades. Para os pais que tem mais paciência pode usar outras formas, além da tecnologia, como montar um circuito de obstáculos com cadeiras, com cordas, os pais podem ensinar seus filhos como se fazer algum brinquedo. E há também os antigos jogos de tabuleiro: detetive, monopólio, banco imobiliário que são ótimas pedidas. A contação de história é fundamental também", comentou. 

Para ela, estabelecer horários é de suma importância para que a criança mantenha a mente ocupada. "É preciso sim, manter essa rotina de estudo por que é importante para a sanidade mental, tanto dos pequenos quanto para a nossa. Nesse sentido, eu recomendo criar horários mesmo que flexíveis, para não deixar o vírus corroer a nossa mente e a delas (crianças)". 

News karol 2d8bdd38 ce99 4bb8 9b75 aaf1a868182f
Repórter de Cidades
Jornalista formada pela Uninorte. Apaixonada pela linguagem radiofônica, na qual teve suas primeiras experiências, foi no impresso que encarou o desafio da prática jornalística e o amor pela escrita.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.