Terça-feira, 30 de Novembro de 2021
PNAD

Pandemia dificultou acesso de 560 mil pessoas ao mercado de trabalho no AM

Dados foram divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sobre o cenário da pandemia no AM



show_portal_F1D1485E-7B3A-49C2-8532-1E2039A791C3.jpg Foto: Euzivaldo Queiroz
24/06/2020 às 14:54

Em maio, 560 mil pessoas ou 73,7% da população amazonense que estava fora da força de trabalho, mas queriam trabalhar, relataram que não procuraram emprego devido à pandemia. Além disso, no mês de maio, 12% da população amazonense estava desocupada, ou seja, buscava emprego, mas não tinha. E entre a população ocupada, 641 mil pessoas (49% dos ocupados) trabalhavam informalmente. Outras 221 mil ocupadas afastadas do trabalho, deixaram de receber remuneração. E, 87 mil estavam trabalhando remotamente. Dados foram divulgados nesta quarta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), sobre o cenário da pandemia no AM.

De acordo com o IBGE, cerca de 759 mil pessoas não conseguiram procurar emprego no mês de maio por causa da pandemia de COVID19 ou por falta de oportunidade na região em que vivem. Nesse mesmo período, outros 179 mil estavam desempregados e buscaram uma ocupação, mas não encontraram. Com isso, o Amazonas alcançou a marca de 938 mil pessoas que queriam um emprego, mas enfrentaram dificuldades para se inserir no mercado de trabalho, seja por falta de vagas ou receio de contrair o novo coronavírus.

O levantamento é uma versão da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua), realizada com apoio do Ministério da Saúde, para identificar os impactos da pandemia no mercado de trabalho e para quantificar as pessoas com sintomas associados à síndrome gripal.

A pesquisa prevê divulgações semanais, para alguns indicadores, em nível Brasil, e divulgações mensais para um conjunto mais amplo de indicadores, por Unidades da Federação. Outro fato, é que seus dados não podem ser cruzados com os dados da PNAD Contínua Trimestral, pois possuem metodologias diferentes. Em maio, o IBGE estima que 1 milhão e 307 mil pessoas estavam ocupadas no Amazonas, embora 2 milhões e 955 mil estivessem em idade para trabalhar. Isso significa que menos da metade (44,2%) estava trabalhando no mês passado, no Estado.



A pesquisa mostra também que o Estado somava 641 mil trabalhadores na informalidade, que são os empregados do setor privado sem carteira; trabalhadores domésticos sem carteira; empregados que não contribuem para o INSS; trabalhadores por conta própria que não contribuem para o INSS; e trabalhadores não remunerados em ajuda a morador do domicílio ou parente. Indicadores de trabalho Segundo os dados da PNAD COVID19 de maio de 2020, foram estimados, no Amazonas, cerca de 4 milhões de habitantes.

Na população residente, 2,95 milhões tinham 14 anos ou mais de idade, ou seja, em idade de trabalhar. A população na força de trabalho eram 1,48 milhão. Entre esses, 1,30 milhão eram ocupados e 179 mil desocupados. A população fora da força de trabalho ficou estimada em 1,46 milhão.

*Com informações da assessoria

 

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.