Quarta-feira, 03 de Junho de 2020
RETRATO

Sem isolamento social, AM poderá precisar de 22 mil leitos de UTI

Alerta veio do secretario estadual de saúde, Rodrigo Tobias. Se a circulação de pessoas aumentar nas ruas num curto espaço de tempo, aumentaria a possibilidade de óbitos já que o sistema de saúde não suportaria a demanda



show_content_abf60c01-0e8e-4789-bffd-4583c92e1f37_E7F717CD-19B3-4893-8FB1-84B09CEDBFB7.jpg Foto: Divulgação
31/03/2020 às 08:45

O governador do Amazonas, Wilson Lima, reafirmou, durante reunião nesta segunda-feira (30) com representantes dos poderes Legislativo e Judiciário, órgãos de controle e entidades do comércio e da indústria, que continua vigente no Amazonas o decreto estadual que determina a suspensão do funcionamento de todos os estabelecimentos comerciais e de serviços não essenciais. A medida é necessária para conter o avanço do novo coronavírus (Covid-19).

O secretario de saúde Rodrigo Tobias apresentou projeções feitas pela Secretaria Estadual de Saúde (Susam) que mostram que o isolamento social pode reduzir em 31% o número de infectados em Manaus e região metropolitana. O mesmo estudo mostra que, sem a medida de restrição de circulação de pessoas, 22 mil pessoas poderão precisar de UTI. Se isso acontecer num curto espaço de tempo, aumentaria a possibilidade de óbitos já que o sistema de saúde não suportaria a demanda.

Leia mais >>> Amazonas registra segunda morte pelo novo coronavírus: um música de 43 anos

“O decreto do Governo do Estado continua valendo e aqui nós montamos um comitê de representantes do Governo e também do comércio e da indústria, para entender como é que a economia vai continuar funcionando no Estado do Amazonas e como é que faremos essa conciliação entre garantir empregos ou demitir o mínimo possível, conciliando com a proteção das pessoas”, ressaltou Wilson Lima.

Ele frisou que a prioridade neste momento é a saúde, mas que o Estado estuda meios de recuperar a economia, alinhado com todos os setores produtivos.

“A vida das pessoas está em primeiro lugar e é isso que nós colocamos aqui e deixamos muito claro, disso nós não abrimos mão. Primeiro cuidamos da vida das pessoas, e depois entendemos como vamos caminhar com as atividades econômicas que são fundamentais. Nós estamos tomando medidas que são duras, não há nenhuma decisão fácil neste momento, mas elas são importantíssimas e devem ser tomadas, de forma muito responsável”, destacou ele, ao frisar que todas as determinações seguem orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS), Ministério da Saúde e órgãos estaduais de saúde.

Leia mais >>> Justiça Federal restabelece decreto que proíbe transporte fluvial no AM

No encontro, que contou com a participação o vice-governador e chefe da Casa Civil, Carlos Almeida, e secretários estaduais, foram discutidos aspectos da assistência e vigilância em saúde, além de alternativas para mitigar os impactos econômicos ocasionados pela pandemia do Covid-19.

Economia

As alternativas para retomada gradual das atividades no setor comercial e de serviços serão detalhadas pelo comitê que terá a participação de técnicos do Governo, de órgãos dos poderes Legislativo e Judiciário e de representantes do setor produtivo.

“Nós começamos um núcleo que pode ser ampliado, entendendo que qualquer decisão que a gente tome tem que ser baseada no que os técnicos têm, nós números, avaliação dos técnicos e das autoridades, dos poderes constituídos, entendo que a gente vai encontrar um consenso, um meio termo para fazer esse planejamento de retorno das atividades econômicas que são fundamentais”, reforçou Wilson Lima.

Leia mais >>> Senado aprova beneficio de R$ 600 a autônomos e informais por 6 meses

Saúde

Os representantes da área da saúde reforçaram a necessidade de manter o isolamento social da população e que os empresários apoiem as medidas dos governos estadual e municipais de restrição de circulação de pessoas, conforme recomendações da Organização Municipal de Saúde (OMS).

O secretário estadual de Saúde, Rodrigo Tobias, disse que o sistema de saúde do Amazonas, assim como em qualquer outro lugar do mundo, não está preparado para uma explosão de casos do novo coronavírus, se todos adoecerem num curto espaço de tempo.

A diretora-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), Rosemary Costa Pinto, destacou que neste início da epidemia no Estado poucos casos positivos têm mais de 60 anos e a população mais atingida pelo novo coronavírus está na faixa-etária de 30 a 49 anos. “A nossa força de trabalho é que está sendo atingida, não são os idosos nem as crianças”, disse.

Leia mais >>> Câmara de Manaus aprova benefício de R$ 50 para alimentação de estudantes

O médico e pesquisador da Fundação de Medicina Tropical do Amazonas e da Fiocruz, Marcus Lacerda, que conduz pesquisa do uso da cloroquina no tratamento da Covid-19 no estado, ressaltou que a maioria das pessoas será contagiada pelo vírus mas é necessário que seja de forma lenta, daí a necessidade da redução do contato entre pessoas.

Setor primário



O vice-governador e secretário-chefe da Casa Civil, Carlos Almeida, destacou a preocupação com o setor primário e com a manutenção de programas como o Preme, de Regionalização da Merenda Escolar.

“O Sistema Sepror tem trabalhado nisso de forma pesada. Na semana passada fizeram uma reunião conjunta e a sugestão é para que não se pare o setor primário, para que a alimentação que não tem chegado às escolas por conta da suspensão das aulas seja destinada ao chamado ‘kit de alimentos’, que a gente possa distribuir à população carente tanto na capital e no interior. A legislação está sendo enviada, ainda na data de hoje, para deliberação na Assembleia Legislativa”, detalhou Carlos Almeida.

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Tudo sobre o Coronavírus



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.