Sexta-feira, 30 de Outubro de 2020
pós-pandemia

Volta às aulas: especialista explica cuidados com as crianças

De acordo com órgãos competentes, a volta às aulas deve ser gradual, cautelosa e considerar dados locais de transmissão do vírus



wuhanaulas_2A961745-57B9-417E-9167-88C1D90894A1.jpg Pediatra explica sobre cuidados que os pais devem ter com as crianças no retorno à escola (Foto: Divulgação)
15/06/2020 às 15:53

Uso de máscaras, distância de um metro entre as mesas, salas de aula arejadas e com menos alunos e horários de entrada e saída diferenciados. Em linhas gerais, essa deve ser as principais características de uma escola infantil no cenário pós-pandemia de Covid-19. Recentemente, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) emitiu um documento de orientação para a reabertura, mas não faz referência à data para a volta às aulas, a qual depende do controle dos casos da doença em cada região.

As crianças, apesar de terem na maioria dos casos versões leves ou mesmo não apresentarem sintomas quando infectadas, são consideradas transmissoras do novo coronavírus (Sars-Cov-2). Com isso, a entidade destaca que o tema tem sido motivo de apreensão para os pais. “Se, por um lado, existe a preocupação em relação ao adoecimento dos filhos e membros da família, por outro há o prejuízo da aprendizagem e da sociabilização”, relata o documento.



A pediatra Rossi Pinheiro, destaca que diversos estudos vêm sendo publicados e mostram que os quadros de coronavírus em crianças a taxa de letalidade é menos de 1% e o número de crianças com internação não chega a 3%, o que pode amenizar a apreensão de pais e responsáveis. “É importante entender que nossas crianças também precisam socializar, pois elas também estão adoecendo em casa com outras patologias, como transtornos do comportamento, como estresse e depressão e isso é prejudicial para a saúde mental”, afirma a médica.

Alerta

A Sociedade Brasileira de Pediatria estimula o uso de máscaras no retorno à escola, desde que não em menores de dois anos, pois há o risco de sufocamento, e pede que os estudantes tragam de casa a própria garrafa de água. Os bebedouros comuns devem ser usados somente para enchê-las.

Essas crianças terão destaque nas ações de prevenção e contenção do vírus. “Assim como os professores, é responsabilidade dos pais se manterem informados sobre a Covid-19 por meio de fontes confiáveis, evitando as fakes news e conversando com o filho sobre as medidas de prevenção da transmissão do vírus”, declara Rossi Pinheiro.

Depois que as aulas voltarem, as famílias serão orientadas a não enviarem os filhos para a escola se eles apresentarem “o menor indício de quadro infeccioso, seja febre, manifestações respiratórias, diarreia, entre outras”, declara o texto da SBP.

"Nesse momento é usar o bom senso. A criança tem que estar saudável, ter alimentação adequada e vacinação  em dia. Além disso, os pais também podem procurar a escola para saber melhor como será a nova rotina dos filhos", afirma a pediatra.

Além disso, a pediatra Rossi Pinheiro também destaca que é preciso redobrar os cuidados com as crianças do grupo de risco, isto é, aquelas que possam pré-dispor uma infecção mais grave caso seja acometido pelo novo coronavírus. São elas: cardiopatas, prematuras, transplantados, doenças sindrômicas, transtornos comportamentais, entre outras.

“As máscaras já fazem parte da rotina dos países asiáticos e agora está começando a fazer parte da nossa cultura. No entanto, vale lembrar que as máscaras foram adaptadas para as crianças, pois não pode ser qualquer tipo. Além disso, é preciso que seja diretamente fiscalizada pelos pais e responsáveis, pois crianças não têm disciplina e podem manusear de forma que acabe se contaminando com mais facilidade”, alerta a especialista.

"Novo normal"

Frente à pandemia do novo coronavírus, as suspensões das aulas devido a necessidade de isolamento social para o combate a Covid-19 também trouxeram uma sobrecarga para os gestores educacionais não só no tocante à condução das aulas remotas, mas também a como organizar e preparar a escola para o retorno das aulas.

Na escola que é referência em ensino em Manaus, Idaam, de acordo com a diretora pedagógica, profª. Msc. Célia Carrara, diversas providências estão sendo tomadas para que a volta às aulas de crianças e adolescentes aconteça com segurança, tanto para alunos quanto professores e colaboradores das unidades.

“Para mantermos a segurança necessária e o afastamento entre os indivíduos orientado pelos órgãos de saúde neste momento, realizaremos o retorno por segmento de ensino, iniciando com os alunos maiores, por terem maior maturidade para observar os protocolos de saúde quanto ao afastamento dos colegas e cuidados com a higienização pessoal”, afirma Célia. Dentre as principais medidas realizadas, estão: 

• Todos os alunos receberão viseiras personalizadas sem custo;
• Exigência de uso de máscara pessoal;
• Retirada de temperatura no acesso às unidades;
• Acesso a totens de álcool em gel 70% em espaços individuais e coletivos;
• Lavagem das mãos (sem acesso manual);
• Sanitização específica preventiva contra o covid-19;
• Manutenção da abertura de portas e janelas das salas para melhor arejamento dos ambientes
• Oferta permanente de aulas remotas diárias ((mais 120 locais em todas as unidades entre pias de inox e totens de álcool gel com acionamento automático, sem uso das mãos)
 

 

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.