Terça-feira, 18 de Junho de 2019
Justificativas

Adail nega crimes e se diz alvo de "produção cinematográfica" para sair da política

Adail Pinheiro diz que o fato da Justiça ter extinguido sua pena é a "prova" de que ele não cometeu crime algum. Ex-prefeito afirma que foi alvo de grandes políticos



adail.jpeg Ex-prefeito de Coari se manifestou por meio de carta aberta (Foto: Jander Robson)
25/01/2017 às 15:20

Um dia após ter tido sua pena por exploração sexual de menores extinta pela Justiça, o ex-prefeito de Coari se manifestou publicamente em uma "carta aberta aos amazonenses", na qual nega todas as acusações que recaem sobre ele e diz ter sido alvo de uma "produção cinematográfica" para tirá-lo do páreo político.

Em sua defesa, Adail diz que o fato da Justiça ter extinguido sua pena é a maior "prova" de que ele não cometeu crime algum. "Ou seja, nunca abusei sexualmente ninguém!!! Se o tivesse, não teria esse direito (ao indulto). Está claro! O que mais precisam?", alega ele, sem citar que a condenação é mantida e somente a pena está extinta judicialmente.

Na carta aberta, Adail dispara diversas acusações para a imprensa amazonense, chamando Manaus de "terra de muro baixo", ignorando que todas as matérias publicadas contra ele foram feitas com base nas acusações judiciais que recaíram sobre ele, condenado a 11 anos e 10 meses de cadeia pelos artigos 228 e 229 do Código Penal e mais o artigo 144-A do Estatuto da Criança e do Adolescente.

O ex-prefeito afirma que seus adversários em Coari foram usados por aliados políticos mais fortes, os quais ele não cita os nomes.  "A estrutura que usaram contra mim, gente do interior não tem acesso. Isto foi construído um degrau acima". Ele afirma que transformou Coari em uma cidade melhor e que foi o melhor prefeito da história da cidade.  "Praticamente tudo o que existe em Coari de progresso é fruto do planejamento e esforço de minha administração", defende ele.

Para Adail, foi este alegado crescimento da cidade e de sua popularidade que fizeram com que ele fosse alvo da perseguição.  "Isto assustou alguns líderes políticos regionais que não se esquivam de se comparar a Deus. Eles se acham acima do bem e do mal, mas na verdade são incompetentes e não sabem nem ao menos escrever direito".

Na carta, Adail afirma ainda que todas as acusações feitas na Justiça contra ele eram absurdas e que acreditou que seriam facilmente esclarecidas.  "Mas o que fazem? Colocam o processo em segredo de justiça, para que ninguém saiba das falhas do processo e se reforce ainda mais as dúvidas da sociedade sobre minha pessoa".

Ele cita ainda trechos do filme 'Tropa de Elite' e diz que o "sistema" queria a cabeça dele. "Os mesmos que me atacam, são os mesmos que batiam em minha porta pedindo dinheiro e eu não me dobrava. Como diria o Capitão Nascimento no filme Tropa de Elite 2: 'O sistema é f…'".

Ele se despede na carta dizendo que "nasceu para servir" e que vai continuar fazendo isso:  "Me aguarde Coari. Estou chegando. Me aguarde Amazonas, quem te faz mal não terá forças para resistir ao teu desejo de mudança".

Receba Novidades


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.